Jovem Médico, escolheu a Profissão de Forma Racional e hoje é Destaque no meio Cirúrgico

Dr. Gabriel Ferraz
Dr. Gabriel Ferraz – Foto Rafael Cautella

O cirurgião plástico que aos 35 anos trabalha para melhorar a autoestima das pessoas. Para ele, a mudança no corpo gera bem-estar físico, mental e social.

Gabriel conta que a escolha pela Medicina foi totalmente racional: “Tudo que somos hoje é a somatória de experiências vividas e da educação que tivemos. Eu era muito jovem para ter a certeza do que me faria feliz profissionalmente, mas eu buscava uma profissão que me desse estabilidade em todos os aspectos e, principalmente, que tivesse menor risco de desemprego”.

Aos 18 anos ele iniciou o curso de Medicina pela Faculdade de Medicina de Jundiaí (SP). Foi durante os seis anos de formação que Gabriel desenvolveu o imenso respeito e amor pela profissão. “A Medicina deixou de ser apenas a minha profissão e passou a ser quem eu sou, médico. Na faculdade passei por todas as áreas médicas. E foi nos estágios de cirurgia geral, traumatologia e urgências cirúrgicas que realmente me encontrei, tanto pela minha facilidade nas habilidades cirúrgicas, como pela adrenalina e paixão que a rotina do cirurgião gerava em mim”.

Ele se formou em 2007, logo depois fez residência de Cirurgia Geral no Hospital das Clínicas da USP de Ribeirão Preto (SP), e já nos primeiros meses teve contato com a cirurgia plástica reconstrutora, estética e queimaduras. “Novamente, não tive dúvidas de qual especialidade seguir. A cirurgia plástica encantou-me por lidar com o bem mais precioso que temos, o nosso corpo. Além disso, se engana quem pensa que a cirurgia plástica é uma especialidade apenas estética”, conta./p>

A Medicina deixou de ser apenas a minha profissão e passou a ser quem eu sou, médico.

Em 2010, Gabriel começou a residência de Cirurgia Plástica, também no Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto (USP). Foram mais três anos de estudo, totalizando 11. Assim que se tornou cirurgião plástico, foi aprovado para ser membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica. “Desde então tenho trabalhado com cirurgia plástica estética, reconstrutora e tratamento de queimaduras. Não acredito que eu tenha nascido com talento ou dom para Medicina. Mas, tenho como lei que, a partir do momento em que escolhi ser médico, faço e dou o meu melhor, todos os dias, para que assim, a cada dia, eu possa ser um profissional mais completo, e uma pessoa melhor”.

Porém, como toda profissão, Gabriel conta que a cirurgia plástica também apresenta desafios e dificuldades. “Estamos lidando com as expectativas e sonhos de outra pessoa, e temos que trazer o paciente para a realidade, o que é uma tarefa delicada. Além disso, a Medicina não é uma ciência exata e cirurgias estéticas e não estéticas têm riscos e podem ter complicações graves e fatais. Por isso, considero que a maior qualidade de um cirurgião plástico é saber estabelecer um bom relacionamento entre médico e paciente, pois o paciente precisa se sentir seguro e acolhido pelo médico”.

A busca pela perfeição é uma rotina no consultório do Dr. Gabriel. Ele explica que já na primeira consulta tenta quebrar a ideia de perfeição que pacientes buscam. Ele trabalha com o discurso de que a cirurgia plástica vai melhorar algo que está incomodando. “Em raras situações, quando não há um entendimento do paciente sobre a não possibilidade de perfeição, ou quando o paciente não se beneficiará da cirurgia plástica, ou mesmo quando o paciente mostra sinais de distorção de autoimagem, me nego a fazer a cirurgia, explico de várias formas para mostrar a realidade e tento sugerir uma avaliação psicológica”.

Vaidade, autoestima, amor próprio, beleza, aceitação, são temas que Gabriel sempre convive e que ele diz fazerem parte do conceito amplo de saúde, que é o bem-estar físico, mental e social. “A cirurgia plástica é uma especialidade médica que atua para proporcionar este bem-estar físico, mental e social.

O meu propósito de vida como cirurgião plástico é servir de ferramenta para as pessoas alcançarem este estado pleno de saúde, afinal, nada traz mais felicidade e paz do que estarmos bem com nós mesmos”.

Da Redação