Uma Fábrica de Criatividade, Empreendedorismo e Sustentabilidade

José Luiz do Carmo
José Luiz do Carmo – Foto Rafael Cautella

Instituto SEB aposta em revitalização de área histórica em Ribeirão Preto com vistas voltadas para o futuro.

Uma grande área de 33 mil metros quadrados, que abriga prédios construídos em 1914 e tombados como patrimônio histórico se prepara agora para o futuro. A antiga sede da Companhia Paulista de Cerveja, em Ribeirão Preto-SP, abriga a Fábrica, local onde funciona o Instituto SEB, criado em 2016 para ser o braço de ações sociais do Grupo SEB, maior grupo de educação básica do Brasil, com mais de 40 escolas em todo o território nacional.

Por meio de ações que vão do empreendedorismo à formação para o mercado de trabalho, passando pelo estímulo à criatividade, o Instituto pretende apoiar programas e projetos com base em uma educação inovadora, abrangendo quatro pilares de atuação: a educação, a sustentabilidade, a inovação e o empreendedorismo criativo.

“Entendo que a educação representa o porvir. A sustentabilidade é uma necessidade real e imediata. A inovação é o instrumento que nos leva à criação e ao empreendedorismo. É fundamental incentivar estas ações”, avalia José Luiz do Carmo, 68 anos, um dos funcionários mais antigos, com mais de quatro décadas de trabalho no grupo. “Passei pelas funções de professor de matemática, coordenador e diretor de escolas”, diz o hoje diretor do Instituto SEB. “Mas um professor nunca deixa de ser professor. A evolução vem da ânsia de ajudar mais pessoas. Você sai de uma sala de aula para coordenar um grupo de professores, depois para dirigir toda uma comunidade envolvida em uma escola. Para todo professor, o sonho está sempre um passo além, e é isso que fazemos aqui, olhando sempre para o futuro”, completa.

A Fábrica pretende ser um espaço de acolhimento de ideias. “Queremos amparar e estimular o empreendedorismo e a inovação, tendo a educação como base para toda a experimentação. Nosso espaço permite que os empreendedores criativos façam a pilotagem de seus projetos. Com liberdade na inovação e na criatividade, é possível verificar o que dá certo, corrigir rotas e assim chegar ao mercado com um produto já testado”, avalia José Luiz.

Espaço para a Aceleração de Projetos

Local voltado para quem quer empreender, a Pluris é uma aceleradora e coworking instalados dentro da Fábrica. Uma aceleradora é uma organização que apoia e investe no desenvolvimento e expansão de empresas que trazem conceitos inovadores em qualquer segmento de negócio.

O objetivo principal é a capacitação de empreendedores e equipes para alavancar negócios promissores. A aceleradora ajuda na consolidação da ideia e posicionamento no mercado em todos os estágios de desenvolvimento. Em sua primeira chamada de projetos, a Pluris recebeu mais de 200 inscrições de todo o País, das quais, 16 tiveram seus projetos selecionados para um período de incubação de cinco meses.

“Já estão em desenvolvimento aqui startups que atuam no terceiro setor, com ferramentas que servem de ligação entre doadores e instituições, empresas que desenvolvem produtos inovadores para o setor da saúde, projetos pedagógicos para o ensino de matemática e português para jovens e sistemas de certificação digital, com o objetivo de simplificar procedimentos que envolvam a burocracia”, enumera o diretor José Luiz do Carmo.

As ações da Pluris são voltadas para empreendedores, profissionais autônomos, universidades, empresas de todos os portes e pessoas que buscam desenvolvimento ou aprimoramento tecnológico.

Projetos de Conhecimento e Criação

Já ocupando um terço da área total da antiga cervejaria, a Fábrica abriga espaços destinados às crianças, aos alunos do pré-vestibular, aos jovens em busca de formação para o mercado de trabalho, entidades do terceiro setor e profissionais com ideias de negócios.

O projeto Nau é gratuito e tem foco no desenvolvimento de competências profissionais de jovens entre 18 e 24 anos. Durante três meses, os participantes trabalham conteúdos ligados às áreas de Linguagem e Comunicação, Inclusão Digital, Raciocínio Lógico, Organização do Trabalho e Relacionamento Interpessoal. Aliado ao Nau Mercado de Trabalho, que está em sua oitava turma, há o Nau Vestibulares, também gratuito, e que prepara os alunos para a entrada na faculdade.

Já o Tecobox é um projeto de educação para a sustentabilidade, em que são explorados os 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas. Entre 2017 e 2018 foram implementadas cinco tecnologias a partir do trabalho conjunto de alunos e educadores: uma composteira e minhocário, um viveiro de mudas, um fogão biodigestor, um domo geodésico e um desidratador solar de alimentos.

“Acreditamos que a transformação para um mundo melhor só surgirá quando tivermos consciência de que os recursos naturais são finitos. É nosso dever e obrigação entregar um mundo melhor para as próximas gerações. Por isso, esta atenção toda às questões ligadas à sustentabilidade”, avalia o diretor do Instituto SEB.

Cervejaria Funcionou por Nove Décadas

O espaço onde hoje funciona o Instituto SEB é símbolo de uma época de riqueza em Ribeirão Preto, alavancada pela cultura do café. Aberta em 1913, um ano depois a Cia. Paulista de Cerveja se mudou para a fábrica situada na esquina da rua Mariana Junqueira com a avenida Jerônimo Gonçalves.

Passando por diversas marcas cervejeiras, o local foi fechado em 2007 e, durante dez anos, recebeu ações culturais como eventos musicais e um polo cinematográfico, até que foi adquirido em 2015 pelo Grupo SEB e iniciou-se o processo de implantação das ações do Instituto. “Trata-se de um espaço significativo da cidade e que pretendemos, com nosso trabalho, contribuir com uma nova vida aos negócios da região onde estamos inseridos”, avalia José Luiz do Carmo.

Por Angelo Davanço