fbpx

Empréstimos realizados por Fintechs atingem 38% dos Créditos concedidos em 2018

NOME DA PESSOA NA FOTO
arquivo Pixabay

Relatório desenvolvido pela TransUnion identifica que os novos modelos de ofertas de crédito têm colaborado para mudanças significativas no setor nos Estados Unidos.

São Paulo, maio de 2019 – O desenvolvimento do mercado mundial de Fintechs está impulsionando os empréstimos pessoais sem garantia. Compreendendo 38% de todos os saldos de concessão de crédito pessoal, as startups financeiras dos Estados Unidos fecharam 2018 com a maior parcela de market share do mercado, em comparação com bancos, cooperativas e empresas financeiras tradicionais. Os dados são do 2018 Industry Insights Report, realizado pela TransUnion, companhia global de soluções de informação, com foco no mercado norte-americano. O relatório revela, ainda, que os saldos de empréstimos pessoais cresceram um montante de US$ 21 bilhões no último ano, batendo o recorde de US$ 138 bilhões em arrecadações.

Em 2013, quando iniciaram no mercado financeiro, as FinTechs contabilizavam apenas 5% de saldos pendentes. Como efeito dessas novas ofertas de crédito e oportunidades para o consumidor, a participação dos bancos diminuiu para 28%, em comparação aos 40% em 2013, enquanto as cooperativas de crédito declinaram de 31% para 21% durante o mesmo período, segundo o levantamento da TransUnion.

“As FinTechs têm impulsionado o mercado global de crédito pessoal sem garantia, uma vez que oferecem opções diferenciadas a pessoas que, muitas vezes, tinham suas solicitações negadas pelas instituições tradicionais”, comenta Juarez Zortea, presidente da TransUnion no Brasil. “Nesse estudo da TransUnion, verificamos que o crescente interesse do consumidor por crédito pessoal tem motivado instituições financeiras em geral a revisitarem suas ofertas, introduzindo inovações em seus modelos de análise para concessão de crédito, o que permite maior poder de escolha para os mutuários de todos os níveis de risco”.

O estudo mostra também que, mesmo com o crescimento do mercado como um todo, as FinTechs destacaram-se nesse avanço em relação aos outros players. Nos Estados Unidos, tornaram-se concorrentes diretos dos bancos tradicionais, uma vez que ambos os credores emitem financiamentos regulares na faixa de US$ 10.000, diferenciando-se apenas das cooperativas de crédito, que trabalham com empréstimos em torno de US$ 5.300. A média de empréstimos pessoais sem garantia de débito por devedor foi de US$ 8.402 no quarto trimestre de 2018.

O relatório 2018 Industry Insights da TransUnion apresenta tendências sobre o consumo de crédito referente a financiamentos pessoais, de automóveis, cartões de crédito e hipotecas. Para acessar a versão completa do estudo, visite o site.

Sobre a TransUnion 
A informação é poderosa. E a TransUnion reconhece sua importância, desenvolvendo e oferecendo ao mercado soluções de informação de maneira inovadora. Por trás de cada dado, consegue encontrar histórias únicas, além de tendências e ideias exclusivas. A TransUnion impacta o desenvolvimento de economias e ajuda a melhorar a qualidade de vida das pessoas, viabilizando o acesso a bens e serviços, por meio de soluções para a tomada de decisão no relacionamento das organizações com seus clientes e parceiros. A empresa possui um portfólio de soluções sólido. Fundada em 1968, opera internacionalmente há mais de 30 anos, chegando ao Brasil em 2011. Suas ofertas auxiliam na prospecção de novos clientes, tomada de decisão no processo de concessão de crédito, risco, cobrança, cross selling e prevenção à fraude, atendendo centenas de clientes nos segmentos de serviços financeiros, seguros, telecomunicações, varejo e cobrança. Presente em mais de 30 países, a TransUnion estimula a inovação e apoia comunidades com base em informações e dados alternativos. Nós chamamos isso de Informações para o Bem. Visite o site.

“Ajudamos a melhorar a qualidade de vida das pessoas”. Esse é o PROPÓSITO da TransUnion

Este conteúdo de divulgação comercial é fornecido
Por Raissa Francisco | XCOM
e não é de responsabilidade de revistaempreende.com.br