Mudar é mais do que preciso, é necessário no mundo dos negócios


Sem medo de se Reinventar, o jornalista Airton Gontow conta como foi o processo de montar o Primeiro Site de Namoro para pessoas com mais de 40 anos.

Airton Gontow – arquivo pessoal

O jornalista e cronista Airton Gontow, de 57 anos, é uma daquelas pessoas de espírito inquieto e curioso, sempre procurando transpor barreiras e vencer desafios – muitos deles impostos por ele mesmo, com o intuito de se reinventar. Um exemplo claro dessa personalidade, segundo ele, foi o fato de arranjar meios para vencer uma disfunção fonética, que o impossibilitava de falar duas sílabas seguidas durante a infância. “Por não conseguir falar direito, aprendi a escrever para expressar o que sentia.

Aos poucos, desenvolvi, com ajuda de especialistas, técnicas para ‘dominar’ a gagueira, com troca de palavras – o tempo todo, quando sinto que alguma ficará ‘trancada’”, compartilha

Trajetória na comunicação

O gaúcho, natural de Porto Alegre (RS), e residente da capital paulista, aproveitou a paixão pelas palavras e a transformou em profissão. Trabalhou em grandes veículos jornalísticos: Folha da Tarde, Folha de S. Paulo e Jornal de Tarde. Depois saiu do jornalismo diário e se aventurou em um projeto autoral. “Montei um espaço cultural, chamado Espaço Aimberê, que tinha cursos instigantes, como História da Ópera, Criação de Máscaras e Danças Indígenas. Consegui muitas matérias na mídia, em jornais, revistas e emissoras de rádio e televisão. Um dia, percebi que nunca havia feito um único curso em meu próprio empreendimento”, lembra, enfatizando que só trabalhava e não desfrutava dos benefícios de gerir um local que fomentava a cultura de seu país.

Airton começou a questionar o rumo que sua vida profissional estava caminhando. “Não gosto de ser dono de espaço cultural. Eu gosto é de fazer atividades culturais. Resolvi voltar ao jornalismo e percebi que tinha aprendido a fazer assessoria de imprensa, o que poderia ser um campo de trabalho interessante”, completa.

Com toda a expertise adquirida em anos de profissão e sem medo de encarar desafios, o cronista comanda, há 25 anos, a Gontof Comunicação, sua agência que presta serviços de assessoria de imprensa, consultoria e construção de imagem pessoal e elaboração de estratégias de marketing e mídia. Entre sua cartela de clientes, estão o famoso Bar Brahma, localizado no icônico cruzamento de avenida Ipiranga com a São João, além de queridos, mas já falecidos, o cantor Cauby Peixoto e o ator Paulo Autran, o qual o jornalista nutre um imenso carinho e ótimas histórias ao longo da parceria.

Mudar é preciso

Uma carreira consolidada e respeitada no meio jornalístico não foi suficiente para acalmar seu espírito empreendedor. Pelo contrário. O cronista tirou proveito de uma experiência pessoal, sua separação, para dar início a um projeto ainda inexistente no Brasil. “Aos 43 anos, me separei da minha esposa e, por dois anos, mesmo não sendo tímido, vivenciei diversas dificuldades que um homem mais velho passa para encontrar uma nova companheira. A gente já não está mais na faculdade e, muitas vezes, não temos mais interesse em frequentar baladas – sem falar que não queremos nos envolver afetivamente com colegas de trabalho”, conta.

Mesmo casado novamente, aos 45 anos, Airton ainda continuou a pensar nas adversidades que pessoas acima dos 40 enfrentam para se relacionar. “Há uns sete anos, fui a uma festa de amigos de colégio e notei que 60% dos meus conhecidos estavam divorciados, viúvos ou solteiros. Nas conversas, escutei muitas queixas sobre as dificuldades de encontrar uma companheira para a vida, não só de uma noite ou passageira. Voltei para casa decidido a criar algo que facilitasse a conexão dessas pessoas que estavam em busca de algo mais duradouro”, relata. Segundo Airton, já existiam sites de namoro, mas não abrangiam o público mais velho. “Como existiam muitos, teria que ser um site específico para o grupo de pessoas maduras. Mas teria que encontrar um nome que resumisse por si só a proposta da plataforma. Finalmente veio a ideia: Coroa Metade, o primeiro site de relacionamento para pessoas maduras”, alegra-se ao contar todo o processo para colocar o site na rede no final de 2012.

Airton Gontow – arquivo pessoal
Barreiras a serem transpostas

Para o idealizador do site, as dificuldades estavam na falta de aptidão em lidar com processos tecnológicos e a escassez de recursos financeiros para custear o portal. “Fora as questões práticas, o início foi muito complicado. Algumas pessoas se cadastravam, mas não gostavam por ter pouca opção e por ser muito embrionário”, diz. “No início, entraram umas 100 pessoas e ficaram um mês e, em seguida, pararam de usar. Quando conectaram mais pessoas, as primeiras já haviam saído. Cheguei a temer que não desse certo”, confessa.

Mas sempre há esperança e a do Airton veio em forma de mensagem de um professor universitário de São Paulo, que tinha tido um encontro promissor que lhe rendeu um beijo. “Era madrugada quando li o recado, mas não me contive e acordei a minha esposa para contar a notícia. Tive a convicção de que o site já estava dando certo”, relata. Hoje, depois de mais de seis anos no ar, o Coroa Metade é responsável por 76 casamentos, até o momento, além de ser amplamente divulgado por plataformas impressas e online.

E o empresário não vai parar por aí. Airton já está elaborando seu novo projeto, com foco em um público bem específico e exigente. “Em breve, lançaremos um site voltado aos veganos e vegetarianos: o naVEGcomigo.com.br, para relacionamentos também”, finaliza.

Por Camila Rodrigues

Anúncios