Startup de Impacto Social Brasileira reduz evasão pela Metade e mitiga consequências do trabalho infantil no Oeste da África


O nudgebot para engajamento educacional, desenvolvido pela Movva, reduziu a evasão de 50% a 70% entre os alunos de escolas públicas da Costa do Marfim; promoveu melhoria de aprendizagem, equivalente a um bimestre a mais na escola; e reduziu repetência no segundo ciclo do Ensino Fundamental em um terço, permitindo ao Ministério da Educação economizar 5 milhões de dólares por ano. O negócio de impacto social foi acelerado pela Artemisia.O

A Movva, primeira startup de nudgebots do mundo, participou de um estudo da Universidade de Pennsylvania (UPenn), nos Estados Unidos, e da Universidade de Zurique (UZH), na Suíça, sobre ferramentas para melhorar a educação pública na Costa do Marfim. O país, que fica na região Oeste da África, registra altos índices de crianças trabalhando no mundo. Presumivelmente, o trabalho nas plantações de cacau é um dos principais responsáveis pelos péssimos níveis de aprendizagem no país, que está abaixo da média da África sub-saariana em matemática.

A pesquisa documentou que mais de 40% das crianças do primeiro ciclo do Ensino Fundamental (a partir de 7 anos) trabalham no campo. A evasão escolar é de mais de 10% ao ano, e a repetência, em torno de 15%. Além disso, a Costa do Marfim está inserida em um contexto em que é comum disciplinar as crianças por meio da punição física – uma cultura difícil de ser mudada e que — um dos raros consensos entre os cientistas – também prejudica a aprendizagem. Para contribuir com a mudança de cultura de punição física e trabalho infantil, incentivando o engajamento dos pais na vida escolar dos filhos e para mitigar o ciclo vicioso que culmina em repetência e evasão, os pesquisadores Guilherme Lichand (UZH) e Sharon Wolf (U Penn) testaram o nudgebot de engajamento educational da Movva. O negócio de impacto social foi acelerado pela Artemisia, organização pioneira no Brasil no fomento e aceleração de negócios de impacto social.

Os nudgebots são robozinhos como os chatbots, mas que são focados em mudança de hábito. Na prática, a solução une os nudges – reforços positivos que sugerem comportamentos e incentivam escolhas que promovam a mudança de comportamento – aos bots, que são programas de computador criados para realizar tarefas repetitivas e automatizadas. Para engajamento educacional, a Movva, primeira startup de nudgebots do mundo, desenvolveu o Eduq+ que envia nudges semanais, via SMS, com conteúdos e atividades incentivando a comunidade escolar se engajar na educação de jovens e crianças.

O experimento com o Eduq+ na Costa do Marfim começou em novembro de 2018 em parceria com a Jacobs Foundation e o Ministério da Educação local, e enfrentou contextos sociais diferentes aos que a Movva estava habituada com o trabalho que vem realizando no Brasil desde 2016. Em um continente totalmente diferente, com outros idiomas, outro tipo de relação entre família e escola e com altíssima incidência de trabalho infantil (cerca de 40%, contra menos de 10% no Brasil). Os resultados foram muito relevantes.

RESULTADOS

•O uso da punição corporal caiu consistentemente entre as famílias que receberam os nudges.
•Os alunos cujos pais receberam os nudges faltaram apenas metade das vezes do que aqueles que não receberam na região em que a colheita de cacau se estendeu durante o ano escolar.
•No primeiro ciclo dos anos iniciais do Ensino Fundamental, as mensagens de texto para as famílias melhoraram a aprendizagem em leitura e matemática – como se as crianças cujos pais receberam os nudges estivessem um bimestre mais avançadas na escola do que aqueles que não receberam.
•A evasão escolar diminuiu em todas as séries em cerca de 50%, chegando à redução de 70% no primeiro ciclo dos anos finais do Ensino Fundamental.
•Nesse ciclo, a repetência caiu em um terço.

Somente em função das economias geradas pela menor repetência, o Ministério da Educação ivoriano poderia economizar 5 milhões de dólares por ano (líquidos dos custos com o nudgebot) se o Eduq+ fosse adotado em escala.

“Os resultados encontrados são surpreendentemente parecidos com aqueles que um estudo anterior realizado no Brasil, que encontrou melhoria de aprendizagem da mesma magnitude e redução da repetência de também um terço, entre os alunos do 9o ano do Ensino Fundamental na rede pública de São Paulo. No Brasil, os ganhos potenciais são ainda maiores: o Eduq+ tem potencial de aumentar o Ideb em 0.4 ao mesmo tempo em que economiza recursos das Secretarias de Educação ao reduzir a repetência, ou seja, uma economia estimada em mais de 12 reais para cada real investido no nudgebot”, afirma Guilherme Lichand, cofundador e presidente do Conselho da Movva.

SOBRE A MOVVA

O negócio de impacto social utiliza inteligência artificial aplicada à economia comportamental; a partir da análise de dados, cria e envia mensagens para influenciar comportamentos positivos associados ao engajamento educacional, prevenção de inadimplência e formação de hábitos financeiros saudáveis. Com metodologia validada pela Universidade de Zurich e pela Universidade de Stanford, a startup foi fundada em 2012 – com o antigo nome MGov – por Guilherme Lichand, Marcos Lopes e Rafael Vivolo. Os empreendedores desenvolveram os Nudgebots; robozinhos como os chatbots focados em mudança de hábito. Na prática, a solução une os nudges – reforços positivos que sugerem comportamentos e incentivam escolhas que promovam a mudança de comportamento – aos bots, que são programas de computador criados para realizar tarefas repetitivas e automatizadas. Os Nudgebots atuam em comportamentos que podem ser efetivamente mudados por meio de lembretes e nudgesenviados de forma persistente, formando novos hábitos. Por meio de algoritmos que utilizam a inteligência artificial, o sistema manda mensagens para maximizar o impacto positivo na construção de novos comportamentos.

Para o engajamento educacional, desenvolveram a solução Eduq+ que envia nudges semanais, via SMS, com conteúdos e atividades incentivando coordenadores, professores e familiares a se engajarem na educação de jovens e crianças. Já o Poupe+, outra solução da empresa, atua na prevenção de inadimplência e formação de hábitos saudáveis focados na vida financeira. A proposta é ajudar o consumidor a se apropriar de conteúdos financeiros que o ajude a tomar decisões conscientes e financeiramente seguras. Os produtos desenvolvidos pela Movva podem ser aplicados, ainda, para reforçar a cultura organizacional, saúde, questões sustentáveis e filantrópicas.

ARTEMISIA

A Artemisia é uma organização sem fins lucrativos, pioneira na disseminação e no fomento de negócios de impacto social no Brasil. A organização apoia negócios voltados à população em situação de vulnerabilidade econômica, que criam soluções para problemas socioambientais e provocam impacto social positivo por meio de sua atividade principal. Sua missão é identificar e potencializar empreendedores(as) e negócios de impacto social que sejam referência na construção de um Brasil mais ético e justo. A organização já apoiou mais de 400 iniciativas de todo o Brasil em seus diferentes programas, tendo acelerado intensamente mais de 170 negócios de impacto social. Fundada em 2004 pela Potencia Ventures, possui atuação nacional e escritório em São Paulo. www.artemisia.org.br

Este conteúdo de divulgação comercial é fornecido
Por Betania Lins | Frida Luna Comunicação