Quer empreender melhor? Então respire!


Monja Coen ensina a praticar a Respiração Consciente em busca do Equilíbrio necessário para Viver Melhor, até mesmo na Jornada Empreendedora

foto divulgação

Quem começa um novo projeto de vida ou de negócios aprende, desde cedo, a encarar fatores como incertezas, ansiedade, dúvidas, correções de rotas, acertos, conquistas e realização de sonhos. E, para que esta jornada possa ser acompanhada da tranquilidade necessária para empreender, alguns minutos de respiração podem fazer a diferença. É o que ensina a monja zen budista Coen Roshi, 72 anos, missionária oficial no Brasil da tradição Soto Shu, com sede no Japão, e Primaz Fundadora da Comunidade Zen Budista em São Paulo.

A técnica para a respiração consciente, transmitida pela Monja Coen em todas as suas palestras, é simples. Sente-se confortavelmente e com a coluna ereta, com os ossos do quadril posicionados no meio do assento e o queixo em linha reta com o solo. Com as mãos sobrepostas sobre o colo, a respiração deve ser lenta, preenchendo todo o pulmão, e, ao soltar o ar, após uma pequena pausa, esvazie o peito quase que por completo. Neste momento, o pensamento deve perceber o ar preenchendo o corpo e renovando a energia. Repetindo lentamente este processo três vezes, já será possível encontrar seu eixo de equilíbrio. E, se o exercício for realizado várias vezes ao dia, ainda melhor.

“Quando estiver com estresse ou ansiedade, respire. Todas as nossas emoções passam pelo processo respiratório. A respiração consciente nos recoloca presentes no que estamos fazendo”, aconselha a monja.

Além de dedicar tempo para a respiração consciente, outros conselhos de Monja Coen para quem administra um negócio ou pensa em se lançar no mundo empreendedor são a confiança e a resiliência. “É preciso que você confie em si mesmo, que confie neste momento único, nas pessoas que estão ao seu lado e, ao mesmo tempo, que tenha resiliência, a capacidade de, em alguns momentos, nos fazermos pequenos, apertadinhos, para passarmos por lugares difíceis e depois podermos desabrochar”, diz.

“Cada dia é único, cada momento é único. Aprenda a viver o agora. Faça desse momento o melhor do mundo”

Características que a monja paulistana, nascida Cláudia Dias Baptista de Souza, sempre teve, seja trabalhando como repórter no Jornal da Tarde ou atuando pelo Banco do Brasil nos Estados Unidos, onde conheceu e se encantou pelo zen budismo. Foi para o Japão em 1983, onde permaneceu por 12 anos, praticando em diversos templos pelo país e atendendo as comunidades locais com serviços memoriais, enterros, preces nas residências, casamentos e práticas zen para crianças e adultos.

Para aprender o idioma necessário para sua prática religiosa, Monja Coen teve que praticar, desde o início de seus estudos, outra característica empreendedora: o foco. “No início, como eu não sabia falar japonês, preferia as horas de meditação. Percebendo isso, minha monja superiora me colocou para aprender o idioma na hora da meditação. Então, eu me dedicava por completo às aulas de japonês para aprender rápido e, assim, ter mais tempo para meditar”, diz.

Paciência, persistência e sabedoria são outros conselhos que ela dá para os empreendedores. “Isso pode acontecer junto a práticas meditativas e de autoconhecimento. Você poder respirar conscientemente e encontrar uma tranquilidade física que vai lhe proporcionar a calma interior necessária para seguir em frente”, orienta Monja Coen, autora de livros como “Viva Zen: Reflexões Sobre o Instante e o Caminho”, “A Sabedoria da Transformação: Reflexões e Experiências” e “O Sofrimento é Opcional”, entre outros.

foto divulgação

Reflexões de Monja Coen para uma Jornada Empreendedora

O projeto Sebrae Inspira, do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Mato Grosso do Sul, produziu um vídeo em que Monja Coen dá seis conselhos para os aspirantes a empreendedor ou àqueles que já vivem o desafio de administrar o próprio negócio. Confira um resumo das suas dicas:

1- As incertezas do início
“Quando começamos qualquer coisa, temos incertezas, e isso é natural, por isso, precisamos do apoio de pessoas mais experientes. A gente se prepara, faz cursos, segue conselhos. A vida é incerta, não há nada certo neste mundo, então, não é porque você está iniciando agora que as incertezas vão impedi-lo de ir em frente, de levar adiante o seu projeto.”

2- Conciliando trabalho e família
“Empresa e família nem sempre parecem algo conciliatório, mas são. Você pode dividir o seu tempo muito bem. Organizando-se mentalmente, você se organiza fisicamente, e vai dar tempo, sim, de estar com a sua família, com as pessoas que você convive, dando atenção absoluta. O mais importante é você oferecer a sua presença, estar presente. Não significa estar 24 horas por dia presente, mas quando estiver junto, estar de verdade, bem perto deles.”

3- Momentos de crise na empresa
“As crises são oportunidades de crescimento. Se você está em crise, em dificuldade, maravilha! É hora de repensar a empresa toda, procurar onde está a falha, o que está acontecendo, se é uma coisa pessoal sua, se é uma coisa do grupo, se é o momento histórico do país. Você tem que analisar a situação para tomar as decisões acertadas. Você deve perceber que cada obstáculo o deixa mais forte para você passar por ele. Olhe a sua meta, não olhe o problema.”

4- Equilíbrio entre vida digital e vida real
“O mundo digital é uma maravilha, é o nosso novo brinquedo, nossa nova descoberta, mas ele está aqui para nos ajudar e não para nos tirar da nossa vida. Então, tome cuidado, por mais maravilhoso que seja, ele foi criado para ser uma ferramenta para podermos viver melhor. Se isso tira você de seus relacionamentos, tira você de sua capacidade de decisão, então, tem algum problema aí, preste atenção.”

5- Foco na solução e não no problema
“Problemas existem. É como na matemática, você precisa aprender a ler o problema, aprender qual é a realidade, qual a dificuldade e quais são as possíveis soluções. Não pense em uma única solução, pois existem várias, por isso, é bom a gente convidar outras pessoas para pensar junto. Converse com quem você trabalha, às vezes, aquela pessoa mais simples, que não tem um cargo de decisão, pode lhe mostrar um caminho. Respeite as outras pessoas, você não está sozinho.”

6- Tomada de decisões
“A gente sabe que tomar decisões traz um desgaste, existe um estresse nisso, pois é uma responsabilidade que não é só da sua vida, mas dos seus familiares e das pessoas que trabalham com você, e isso se expande numa rede muito grande. Para isso, é preciso ter muita certeza. Não duvide de você nem de sua capacidade de decisão. Para tomar uma decisão, é preciso ver todos os ângulos, não é uma coisa de repente, baseada na intuição. Intuição é importante, mas além dela é preciso ter a razão. Quando razão e intuição funcionam juntos, aí tudo dá certo.”

Fonte: Vídeo Sebrae Inspira Sebrae/MS

Por Angelo Davanço