Idealize, Fale menos e comece a Fazer

Pedro Custodio


Pedro Custódio

abeeon.com/pedro-custodio 
Advogado que carrega o escritório na mochila, escreve e ajuda outros advogados a terem mais tempo e mobilidade.
imagem Pexels

Você se lembra daquela época em que tinha poucas contas para pagar, um bocado a menos de responsabilidades e o privilégio de escolher o que quisesse para ser ou fazer?

Eu e meus amigos costumávamos nos encontrar toda sexta-feira à noite, depois da faculdade. Eu tinha 20 anos na época. Nenhum de nós trabalhava no sábado ou tinha cursos para fazer, semana para organizar, coisas do escritório para planejar ou sei lá mais o quê – responsabilidades que temos hoje.

A gente se arrumava, marcava o ponto de encontro e não tínhamos hora para voltar. Claro, nesses encontros a gente conversava muito. Demasiada conversa.

Falávamos sobre nossas turnês em diversas cidades. Centenas delas. Sobre quanto tempo levaria para fazermos sucesso. Nós imaginávamos as pessoas curtindo, pedindo para tirar fotos e como elas se sentiam bem ouvindo a nossa música.

Exceto que não fizemos nada para realmente viver isso.

Alguém pegando um violão e tocando numa esquina teria se sentido muito mais realizado do que nós durante todas aquelas noites em que imaginávamos cenas, músicas e pessoas.

O que quase nenhum jovem de 20 anos sabe é o quão difícil é realmente fazer as coisas importantes que contribuirão para o mundo. Eu não sabia naquela época. Achava que seria mais fácil.

O pior é que essa realidade não é apenas dos jovens de 20 anos, mas de quase todas as pessoas, independentemente da idade. Tem uma galera de 30, 40, 50 ou 60 anos lançando ideias, produtos, tentando encontrar soluções e percebendo algo muito comum em todos os seus projetos: o quão difícil é causar uma mudança verdadeira no mundo.

Você só descobre quando começar a construir, a fazer. Você dá dois passos e bate em uma parede. Dá mais um passo e tropeça num buraco.

“Oh, uau, é difícil fazer com que as pessoas se importem com a minha ideia.”

“É difícil escrever algo bom.”

“Por que é tão difícil vender esse produto incrível?”

“Eu sou um ótimo advogado, mas é tão difícil fechar um contrato de honorários!”

Você nunca percebe nada disso antes de começar a fazer as coisas, a testar. É muito fácil sentar em um bar, com um copo gelado de cerveja e soprar os devaneios no ar, cheios de palavras de fantasia e ideias sonhadoras.

O difícil é aparecer para qualquer um desses sonhos dia após dia, mesmo quando bate aquela vontade de desistir ou quando você se conforma com a vida e pensa: “É assim que a vida é e eu preciso pagar as contas”.

O ano de 2019 foi insano e, se você fez ou tentou fazer alguma coisa nesse mar de oportunidades que a vida do século XXI te apresentou, parabéns!

Seja o que for que você queira realizar, talvez a melhor mensagem que eu poderia deixar nesse final de ano, para que você guarde em 2020, é a seguinte: Idealize claramente o que você quer, fale menos e comece a fazer, sem medo da dificuldade.