Você nunca desiste? Talvez devesse!

thiago franco


Thiago Franco
@thiagofranco.coach
abeeon.com/ thiago-franco 
Coach, consultor, professor e palestrante. Hoje seu principal foco é guiar pessoas para encontrar a melhor forma de se conectarem com seus valores, seus objetivos e com as pessoas à sua volta.
imagem Pexels

Ainda não fez o que queria este ano? E no ano passado? Uau, frustrado de novo, que coincidência! Revisar nossa vida e nossas decisões é necessário. Mas o tradicional prazo anual pode não ser o melhor. Muitas coisas precisam de bem mais tempo para acontecer e amadurecer.

Eu fiz 40 anos neste ano. Mudanças de década são interessantes porque nos tiram da perspectiva anual e nos colocam numa perspectiva de 10 anos (pelo menos!). E esse olhar muda tudo.

Peguei algumas fotos de 10 anos atrás, coisa que eu não fazia há muito tempo (afinal, só olhamos um ano para trás). Foi uma sensação bem estranha, mas em resumo: estou diferente. Minha saúde está bem melhor (apesar dos pés de galinha) e meus sonhos daquele momento não se concretizaram, nenhum deles, aliás. Tristeza? Não, nenhuma. Por quê? Porque quase toda a verdade daquele momento não tem mais valor agora.

Depois de muito estudar sobre planejamento de tempo e objetivos, ainda acredito que o melhor conselho é uma célebre frase do lutador Mike Tyson: “Todo mundo tem um plano até tomar o primeiro soco”. Todo mundo imagina seu próprio caminho em linha reta, com adversidades contornáveis, afinal “eu nunca desisto!”. Até que os infortúnios e tortuosidades da vida real testam nossa vontade e nossos limites, moldando nossa percepção do que é a verdade.

“Eu nunca desisto!”. Essa frase tem sido cada vez mais usada e, infelizmente, com o viés bastante infantil de que desistir é sempre sinônimo de fraqueza, quando, muitas vezes, pode ser a melhor decisão que uma pessoa lúcida toma. Não é raro nos colocarmos em caminhos onde abdicar pode ser mais sensato. Uma carreira que não dá retorno, um relacionamento que não tem futuro, tudo que não tem mais perspectiva ou simplesmente se apresenta caro demais.

Sem uma boa dose de persistência, nada significativo acontece, fato. Não é por conta de um dia ruim que vou chutar tudo para o alto. A idade traz a maturidade da perspectiva do tempo. Dia ruim? Ok, é um no meio de 14.600 que já vivi. Semana ruim? Uma em mais de 2.000. Um mês inteiro ruim? Já, já chego em 500!

Renunciar a um sonho pode deixar uma enorme sensação de mágoa e angústia. Contudo, quando resultado de um processo de reflexão e bom senso, desistir se torna justamente o elemento crucial que abre espaço para novos sonhos, novas pessoas e novas ideias entrarem em sua vida.