Namoro na Empresa

#Mesa&Etiqueta

Andréa StaciariniAndréa Staciarini

Consultora de Etiqueta. 
@mesaetiqueta
abeeon.com/mesaetiqueta
imagem Shutterstock

Dizem os poetas que o amor viola todas as regras,mas e a etiqueta? O que ela nos diz sobre a paquera e o namoro dentro da empresa?

O poeta mineiro Carlos Drummond de Andrade, um dos maiores nomes da literatura brasileira, em um de seus célebres poemas, profetizou: “Amor não pode ser regulamentado, foge a dicionários e a regulamentos vários”. E ele tinha razão! Sabendo que, no campo das emoções mais profundas, a “razão não é senão escrava da paixão” (Dos-toiévski), resta-nos saber… E quando isso acontece dentro da empresa? Existem regras de comportamento entre os apaixonados?

Algumas corporações não veem com bons olhos o envolvimento entre funcionários e, inclusive, não contratam casais, temendo que o envolvimento emocional mine a produtividade ou gere conflitos. Entretanto, sabemos que, para quem trabalha às vezes mais do que 40 horas semanais ao lado dos colegas, mal sobra tempo para conhecer e conviver com pessoas externas à empresa, o que acaba tornando o ambiente corporativo um palco para todos os tipos de envolvimentos passionais: casos, namoros, paixões avassaladoras, traições e até casamentos bem sucedidos.

Tudo é possível quando se trata do comportamento humano. Para tentar evitar o caos, mais do que regras ou proibições, é preciso estar atento à ética, pois a linha que separa um gentil elogio de uma grotesca cantada é bastante tênue e, muitas vezes, passível de sofrer interpretação errônea pelos interlocutores.

Apesar dos percalços a serem observados, muitos relacionamentos e carreiras perduram em sua coexistência, mas é preciso que haja maturidade para lidar com os desafios diários e resiliência no enfrentamento da rotina, afinal, a convivência é muito maior nesses casos.

Razão e emoção devem sempre cooperar. Nas palavras de Joseph Campbell: “Siga a sua alegria, e o mundo abrirá portas para você onde antes só havia paredes”.

Veja algumas dicas no quadro abaixo:

Discrição é fundamental
Só reporte seu relacionamento quando perguntado sobre ele e faça isso com bom senso.

Relacionamentos com superiores
tendem a gerar ciúmes na equipe quando ocorrem privilégios ou promoções. Ética e diálogo são fundamentais para constrangimentos serem evitados.

Mantenha o seu desempenho crescente
assim como sua boa imagem profissional e sua conduta na empresa. Desse modo, dificilmente o namoro atrapalhará sua carreira e vice-versa.

A maioria das empresas não proíbe
relacionamento entre funcionários, mas observa a conduta dos envolvidos por precaução.

Casal de pombinhos, não!
Pega mal ser o casal chiclete dentro da empresa: o excesso de grude pode denotar falta de profissionalismo e, no ambiente corporativo, o foco é trabalho.

O término do namoro requer
conduta impecável: nada de falar mal do(a) ex, fazer cenas de ciúmes ou discussões, provocações e pirraças. Isso queima totalmente o filme!