Café vira Arte nas Mãos de Ana Paula

Ana Paula Naccarato – foto Guilherme Bordini

Projeto de conclusão de curso da designer de produtos Ana Paula Naccarato deu início a empresa que produz biojoias e objetos de decoração a partir da borra do café

Sabe aquele cafezinho que você toma todos os dias? Já parou para pensar para onde vai a borra que fica no filtro de papel depois que a água quente passou pelo pó? Na maioria das vezes, vai para o lixo, não é mesmo? Não para Ana Paula Naccarato, que utiliza a criatividade, aliada aos conceitos da sustentabilidade, para dar um novo destino a este resíduo altamente prejudicial para o meio ambiente.

Descartada em lixões e aterros sanitários, a borra do café é uma das principais produtoras do chorume, líquido que penetra no solo e tem alto potencial de contaminação do lençol freático, podendo prejudicar a água, aquela mesma que você usa para passar o seu café.

Em 2016, ao se formar no curso de Design de Produtos pela FAAP, Ana Paula desenvolveu, para um trabalho de conclusão de curso, um material produzido a partir da borra do café e aglutinantes naturais. “Durante a escolha do tema do meu trabalho, eu só tinha ideia de que a sustentabilidade seria o meu centro. Depois de pouco mais de um mês levantando possibilidades, questionei o café.

Comecei a pensar o quanto o hábito de tomar café está presente na nossa cultura e consequentemente no nosso dia a dia. E então comecei a pesquisar sobre seus resíduos. Uma informação que me surpreendeu foi a de que consumimos menos de 5% do produto, seu restante é todo lixo. Bebemos, na verdade, a água que passa pelo pó e retira as essências do café, o produto em si se concentra quase todo no filtro”, explica Ana Paula.

decoração com resíduo de café – divulgação

Com o resíduo escolhido, a designer partiu em busca de possibilidades para transformá-lo em produto. “Depois de meses fazendo diversos experimentos, cheguei ao que eu queria, um material vegetal rígido e sustentável, que me abria um leque muito grande de possibilidades de aplicações”, relembra. Um ano depois, surgia a Recoffee Design, empresa sediada em Ribeirão Preto (SP) que hoje conta com uma linha de mais de 60 modelos disponíveis, entre biojoias, objetos de decoração e peças de revestimento de paredes, tudo no tom terroso que as diversas variações do café podem oferecer, com preços médios que variam entre R$ 35 e R$ 240.

“Como todo negócio, o início não foi algo fácil, ainda mais quando se trata de um produto extremamente novo. Dentro de nossos desafios estava produzir artesanalmente em uma escala maior, sem perder a essência da sustentabilidade; e descobrir a aceitação desse novo produto no mercado.

Hoje, o desafio maior ainda é fazer com que as pessoas entendam que quando você compra um produto da Recoffee, você compra mais do que o design e o material, você compra também um conceito de sustentabilidade”, avalia.

Matéria prima sai de cafeterias e restaurantes

A designer de produtos Ana Paula Naccarato encontra nas cafeterias e restaurantes seus maiores fornecedores da borra de café que teria o lixo como destino certo. “Por questões de logística, nós recolhemos o resíduo de cafeterias e restaurantes, mas sempre tem algum conhecido ou cliente que nos entrega o seu resíduo residencial que, apesar de não ser muito, é algo que sempre nos comove bastante, porque compreendemos que essa pessoa já não enxerga mais a borra de café como lixo, ali ela já reconhece que existe valor, e é essa a mensagem que queremos passar para nossos clientes, ressignificar aquilo que chamamos de lixo”.

Upcycling

Também conhecido como reutilização criativa, o termo Upcycling se refere ao processo de transformação de resíduos, produtos inúteis ou indesejados em novos materiais ou produtos de melhor qualidade ou com maior valor ambiental.

Resíduos

Uma das bebidas mais consumidas no planeta, o café gera cerca de 20 milhões de toneladas de resíduos por ano em todo o mundo, segundo pesquisa da Universidade de Navarra, na Espanha.

Ciclo de Vida

Segundo Ana Paula, um dos principais pilares para o consumo consciente é o pleno entendimento do ciclo de vida do produto que é oferecido. “Proporcionar ao consumidor escolhas que minimizem os impactos negativos ao ambiente e que gerem impacto positivo, no nosso caso ressignificando materiais que se tornariam lixo através do Upcycling, traz uma nova dinâmica para o processo de inovação que vai além da busca majoritária do sucesso financeiro da empresa”, comenta a designer. “Além de sermos uma marca de design que oferece produtos sustentáveis, temos também uma missão com a educação do consumidor, mostrando que existem alternativas inimagináveis como opções de escolhas sustentáveis, contribuindo para uma melhor qualidade de vida para a nossa e para as próximas gerações”, completa.

Por Angelo Davanço