4 maneiras de conectar o varejo físico ao digital na era pós-verdade

Sua primeira experiência no varejo provavelmente foi muito diferente da mais recente. Antes da internet, você levava moedas para comprar doces. Hoje, você clica em “comprar” e espera um pacote chegar à sua porta.

O varejo certamente mudou muito nas últimas décadas, e continua a evoluir de forma extremamente rápida. À medida que as lojas fecham e os consumidores exploram opções digitais por conta das imposições de isolamento social, muitas marcas estão mudando rapidamente as estratégias on-line para alcançar e interagir com os clientes de maneiras diferentes e mais significativas – e com razão.

O futuro do varejo chegou mais rápido do que se esperava, e as marcas agora precisam se adaptar a um mundo em que lojas digitais substituem lojas físicas. Veja como os varejistas podem garantir que estão criando experiências relevantes para seus clientes durante esse período.

Deixe os dados determinarem a alocação de orçamento

O comportamento do consumidor está mudando rapidamente, e, em muitos casos, os clientes estão levando as empresas para o digital. A questão é: como as marcas do varejo podem alocar seus orçamentos de forma eficaz quando há tantas opções para investir on-line?

A boa notícia é que a maioria dos clientes está mostrando suas prioridades por meio de suas interações e transações digitais. Muitas marcas já repensaram seus esforços de marketing, promovendo e priorizando seus canais digitais (por exemplo, o foco da Lowe no Youtube). Outras, como a Nike, têm patrocinado shows ao vivo e eventos esportivos para conseguir inserções nas redes sociais.

O comportamento on-line de hoje indica claramente onde a atenção do consumidor está, e os varejistas podem se beneficiar disso deixando esses dados guiarem seu foco financeiro e criativo.

Desenvolva um novo caminho

Enquanto alguns estão em situações mais desafiadoras, muitos varejistas estão escolhendo ver 2020 como um renascimento. Os consumidores estão abraçando as compras on-line mais do que nunca, dando aos varejistas a chance de reinventar o comércio e reavaliar o papel das lojas físicas.

Shopping físicos estão em declínio – mesmo antes da situação atual, um em cada quatro shoppings fecharia até 2022 -, mas isso não significa que os consumidores estejam desinteressados em comprar. As marcas que buscam integrar experiências físicas e digitais devem buscar espaços menores. Pense em showrooms e pequenos centros de distribuição.

Lojas como a Tractor Supply, por exemplo, abraçaram a oportunidade de introduzir a entrega no mesmo dia. E muitos varejistas estão expandindo suas ofertas digitais para incluir realidade aumentada – empresas de óculos, como a Warby Parker, estão permitindo que os clientes “experimentem” a armação antes de comprar, enquanto lojas de móveis como a Wayfair permitem que os clientes vejam como um sofá ficará na sua sala de estar.

Combinar lojas on-line robustas com a opção de testar digitalmente os produtos é uma vantagem para todos – os clientes têm experiências personalizadas com a seleção e a conveniência das compras on-line, enquanto os varejistas têm a flexibilidade e a agilidade que vêm com a redução do estoque.

Ofereça algo para todos

Os consumidores são omnichannel – especialmente nas últimas semanas -, e as marcas também precisam ser. Vemos que as pessoas estão dispostas a experimentar coisas novas no ambiente on-line, e estão adotando novos comportamentos digitais que provavelmente continuarão depois que a pandemia da covid-19 se dissipar.

Uma pesquisa recente da Mckinsey mostra que alguns consumidores estão se voltando para sites que nunca visitaram anteriormente para adquirir o básico (14%), comprando em um novo supermercado (20%), adotando retirada na loja (15% e 19% para usuários novos e aumentados, respectivamente), e usando software de videoconferência para fins profissionais e pessoais pela primeira vez (21% e 23% para usuários novos e aumentados, respectivamente). Dadas essas mudanças rápidas no comportamento do consumidor e nossa vontade de ampliar, agora pode ser um bom momento para pensar em expandir sua experiência de comércio em áreas emergentes, como compras por realidade virtual e muito mais.

Ao tentar atingir tanto nativos digitais quanto idosos não familiarizados com tecnologia, ter uma variedade de maneiras de encontrar e comprar produtos é importante. Alguns podem amar uma experiência automatizada, enquanto outros vão querer falar com seres humanos reais ao longo do caminho. De qualquer forma, o mercado tem visto uma nova onda de usuários na internet.

Deixe sua mensagem clara

Varejistas mais inovadores já estão usando dados de experiências digitais dos clientes para entregar mensagens personalizadas e contextualizadas. Mas e os consumidores que ainda estão aprendendo a comprar nesses ambientes on-line? Para esse grupo, o conteúdo deve ser mais educativo do que persuasivo:

Seja honesto e pessoal para atrair os clientes nesta era de pós-verdade

Compartilhe avaliações positivas reais que motivem os clientes a comprar

Quando possível, elimine pontos de atrito, como custos de frete, que podem afugentar os clientes

Confirme que a segurança é uma prioridade ao trabalhar com fornecedores confiáveis. De acordo com um estudo, 69% das pessoas disseram que confiam mais no Paypal do que em seus próprios bancos para proteger informações financeiras.

Quaisquer que sejam as habilidades de compra on-line dos clientes, a comunicação útil e inspiradora é imprescindível, e não há momento melhor para investir em novas infraestruturas digitais. As organizações digitalmente maduras estão tendo mais facilidade em ser resilientes.

Acelere sua experiência no varejo

Previsões futuras à parte, é provável que as coisas nunca mais sejam as mesmas. Entregas sem contato e transações digitais mesmo dentro das lojas físicas se tornarão a nova norma. Lockers de entrega serão instalações permanentes. A maior lição desse caos para os varejistas é que é hora de mudar de marcha. A sua tecnologia, a sua estratégia e o seu serviço ao cliente têm de evoluir para esta nova ordem digital mundial.

Por Michael Klein é diretor global para Indústria e Marketing para Varejo, Turismo e Bens de Consumo na Adobe

Você também pode gostar de ler: O poder da empatia no bem estar das empresas

Este conteúdo de divulgação comercial foi fornecido
Por RPMA Comunicação
e não é de responsabilidade de revistaempreende.com.br