Uma dupla de quatro – OSGEMEOS

Famosos por compartilharem seu universo lúdico por meio da sua arte, osgemeos é muito mais que apenas Gustavo e Otávio: é também Arnaldo e Adriana, irmãos mais velhos dos artistas”

Gustavo e Otávio Pandolfo são conhecidos mundialmente como osgemeos, a dupla que compartilha seu universo lúdico por meio da arte, esteja ela em um muro de São Paulo (SP), em um castelo na Escócia ou em um museu de Londres. Porém, sua carreira de sucesso é o trabalho de muito mais que apenas os dois: é de sua família. Além de todos os amigos que fizeram ao longo dos anos, que se tornaram familiares para os dois, eles têm a participação de outra dupla nos negócios: seus irmãos.

Foi ainda na infância no bairro Cambuci, região central de São Paulo, que eles começaram a compartilhar essa paixão. Segundo Otávio, gêmeo caçula – por 10 minutos –, o desenho era uma das maneiras que eles encontraram de brincar desde os 3 anos por influência do irmão mais velho, Arnaldo. “Ele já desenhava, então a gente via e queria desenhar com ele, que também nos incentivava bastante. Acho que foi a forma que encontramos de conversar e também de brincar”.

Além dos desenhos, que anos depois se tornariam relíquias e poderão ser vistos na exposição OSGEMEOS: SEGREDOS na Pinacoteca, em São Paulo, as ruas do bairro também eram uma forma de expressão. Na infância, ela era uma segunda casa, com carrinhos de rolimã, pipa, fliperamas feitos com pedaços de tábua de madeira e brinquedos desmontados e reconstruídos. E, na adolescência, o início da jornada deles até osgemeos.

Otávio relembra um jantar em família, em que eles presenciaram um grupo de jovens grafitando um muro no caminho para o restaurante. “Não queríamos mais ir no restaurante, queríamos ver eles. Enchemos o saco dos nossos pais para comprar uma lata de spray e no outro dia eles compraram uma para cada um, um Color Jet. Que que fizemos? Pegamos o spray e destruímos tudo que os caras tinham feito. A gente quis interagir”, conta, entre risadas. Já para Gustavo, a obra “ficou legal” depois da intervenção dos ainda meninos.

O mesmo grupo que lhe apresentou o grafite, também foi responsável por introduzir algumas das principais influências na carreira d’osgemeos: a cultura hip-hop. A música, dança e pintura que representava essa cultura dos anos 80 encantou e ensinou os irmãos não apenas o que era cultura, mas que ela também consiste de vários elementos. “Todo mundo se reunia na (estação de metrô) São Bento em 85, 86, 87, 88. Quando fomos pela primeira vez, aí a gente entendeu o que era cultura, o que era aquela cultura e que tinham mais pessoas fazendo o que era feito no bairro”, afirma Gustavo.

Início da carreira

Speto, o artista plástico Paulo Cesar Silva, também faz parte da carreira d’osgemeos. Em uma época em que eles copiavam graffitis americanos, eles viram no artista um estilo próprio e uma oportunidade de trocar conhecimento. “A gente aprendeu muito com o Speto e ele com a gente também! Tanto que a gente é família, muito amigo até hoje. Ele nunca falou ‘arrumem o estilo de vocês’. Não, só vimos e entendemos. A gente já sabia que tinha isso dentro, mas precisou passar por tudo isso para fortalecer e falar ‘Agora vamos nos fechar e buscar isso’.

Um dos quartos da mãe se tornou faculdade, onde eles passaram anos estudando de pintura e técnicas de desenho até esculturas e aerografia. Adriana Pandolfo Alves, gerente administrativa e irmã do meio, se lembra que a jornada d’osgemeos foi muito natural. “Eles sempre foram dedicados aos desenhos, pinturas, esculturas, mas não teve um momento em que percebemos que construiriam uma carreira. Foi tudo muito natural”. Mas demorou até que os gêmeos se transformassem n’osgemeos. No início, a vida de artista era compartilhada com a do trabalho em um banco. As horas vagas eram dedicadas a alguns trabalhos de ilustração, que rendiam algum dinheiro mas ainda não bancavam os irmãos.

“Quando encontramos Barry McGee, um amigo americano que veio fazer uma residência e exposição no Brasil, que nos deu a ideia de realmente viver só disso. Largar o emprego que a gente tinha e seguir carreira de artista. Por volta de 1994, foi quando começamos a trabalhar só com arte”, afirma Otávio. E para Arnaldo Pandolfo, artista, gerente de produção e o irmão mais velho, a insistência que osgemeos tiveram no que amam até conseguirem transformar aquilo em uma carreira deve ser ressaltado. “Isso foi inédito para mim. Se alguém tem mérito, são eles”.

Desde então, foram mais de 60 países que puderam ver de perto as criações dos artistas que brincam com realidade e a imaginação em prédios, silos e até aviões. Os personagens amarelos, que se tornaram uma marca registrada dos irmãos, também os acompanharam durante essa viagem ao redor do mundo.

  • OSGEMEOS Parallel Connections Midnight Moment, 2015 Times Square, Nova York, Estados Unidos Crédito fotográfico: Cortesia dos artistas
  • OSGEMEOS Giants, 2014 Bienal de Vancouver, Canadá Crédito fotográfico: Cortesia dos artistas
  • OSGEMEOS O Beijo (The Kiss), 2016 Exposição O Silêncio da Música, Nova York, EUA Instrumentos musicais, equipamentos mecânicos e elétricos, madeira, metal, aço e resina de fibra de vidro 230 x 145 x 180 cm Crédito fotográfico: Max Yawney
  • OSGEMEOS Pintura da fachada da Fundação Hangar Bicocca, uma das principais referências de arte contemporânea na Itália, localizada em Milão, 2016. Crédito fotográfico: Sha Ribeiro / @sha___ribeiro
  • OSGEMEOS 14th Street NY, 2017 Nova York, Estados Unidos Crédito fotográfico: Martha Cooper
  • OSGEMEOS Retrato dos artistas diante da obra 14th Street NY, 2017 Nova York, Estados Unidos

Tudo em família

Mas enquanto os personagens dominam o globo, Gustavo e Otávio seguem no mesmo bairro em que cresceram. Na mesma rua em que a história começou está o ateliê da dupla, onde eles trabalham com seus irmãos. E para eles, ter a família na vida profissional é “a mais sincera e bonita parceria”. “Um está sempre ligado com o outro e você poder levar o amor que tem dentro da sua família para seu trabalho, e vice-versa, não tem nada melhor”, diz Otávio.

Opinião compartilhada pelos irmãos Arnaldo e Adriana. “Somos apaixonados pelo que estamos fazendo, temos disciplina, competência e construímos uma boa equipe.

Trabalhar com família fazendo arte tem caráter de diversão”, conclui o irmão mais velho.

Por Isabella Grocelli – Revista Empreende