Vendas pela Ozllo representam 25% do faturamento da Laquila

Depois de ser obrigada a parar o trabalho de divulgação e vendas em salões de beleza com a pandemia, a marca passou a vender pelo marketplace

E-commerce multimarcas de moda feminina, a Laquila acaba de completar um ano e, em tão pouco tempo de existência, precisou enfrentar a crise provocada pela pandemia causada pelo novo coronavírus. “Eu fazia eventos em salões de beleza para divulgar a marca e vender. Com a crise, precisei parar”, conta Carol Machado, fundadora da Laquila. “Nesse momento, encontrei a Ozllo, que é um marketplace. Hoje, 25% das minhas vendas vêm de lá”, afirma. “Isso aconteceu já no segundo mês de presença na Ozllo. É uma parceria muito importante para a minha marca.”

A Ozllo é um marketplace on-line de roupas e acessórios premium seminovos e de coleções. Sua clientela é formada por mulheres de 16 estados com idade entre 21 e 55 anos, das classes A e B. “Nosso foco está no aumento do resultado de nossos parceiros, como aconteceu com a Laquila”, afirma Zoë Póvoa, que fundou a Ozllo em 2018. A marca agora se prepara para ser um hub de negócios da moda.

De acordo com Carol, todo o seu portfólio também está disponível na Ozllo. “Assim, estou gerando uma venda incremental”, afirma. Segundo ela, todas as roupas da sua marca são confortáveis, versáteis e têm preços acessíveis. “Em razão da pandemia, as pessoas vêm mudando seus hábitos, buscando peças confortáveis e atemporais. Nesse contexto, a calça mom foi muito bem aceita. É a peça que mais vendemos na Ozllo”, comenta Carol.

Ela acredita que as vendas de roupas confortáveis são sinal de mudança nos hábitos de consumo da mulher. A Laquila vende vestidos, calças jeans e de outros tecidos, blusas e blazers. “Acho que ‘confortável’ é a palavra que hoje representa aquilo que as pessoas buscam. Nossas peças oferecem conforto e versatilidade, além de elas conseguirem pagar por isso”, afirma.

A Ozllo também adotou medidas para enfrentar a pandemia. “Reforçamos nossa presença on-line e a interface com os nossos clientes. A associação dessas ações com a nossa presença 100% digital permitiu a obtenção do resultado”, afirma Zoë. “Hoje, temos índice de recompra de aproximadamente 30% e conseguimos realizar um bom trabalho com a base que temos”, acrescenta.

Acompanhe aqui mais noticias sobre negócios

Este conteúdo de divulgação comercial foi fornecido
Por Nb Press
e não é de responsabilidade de revistaempreende.com.br