Descomplica aponta cinco benefícios do EAD para a educação tradicional

Ensino mais dinâmico, com múltiplas habilidades sendo desenvolvidas e alunos como protagonistas de sua própria aprendizagem são algumas das vantagens do ensino digital

Devido à pandemia causada pela COVID-19, um dos setores que precisou se adequar rapidamente às novas circunstâncias foi o da educação. Milhares de alunos se viram repentinamente com a necessidade de estudar à distância e o modelo tradicional de ensino precisou ser revisto para que estes estudantes não tivessem seus estudos prejudicados. O Descomplica, edtech fundada em 2011, com modelo de atuação 100% online e que hoje alcança, mensalmente, 5 milhões de alunos, traz dicas sobre como alunos e instituições têm a aprender com a metodologia EAD (ensino à distância).

Segundo um estudo da Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES) em parceria com a empresa de pesquisas educacionais Educa Insights, em 2022 o número de alunos do Ensino Superior estudando na modalidade à distância será maior do que na presencial. O levantamento mostra que será imprescindível as instituições se readequarem para atender essa demanda.

“E para essas adequações serem feitas é necessário que as instituições com expertise no ensino digital auxiliem as escolas tradicionais nessa transição rumo à educação híbrida”, diz Marco Fisbhen, CEO do Descomplica . “Durante o período de isolamento social pudemos perceber que o ensino digital tem potencial para ajudar em muitas questões o ensino presencial, dando dinamismo e levando mais possibilidades de estudo para os alunos em sala”, conta.

A seguir, o CEO lista cinco benefícios que o ensino digital pode levar para a educação tradicional.

Ensino mais dinâmico: “Ferramentas digitais tendem a tornar o ensino mais interativo e chamam a atenção dos alunos para o debate”, diz o CEO do Descomplica. A utilização dessas ferramentas possibilita ao professor realizar perguntas em tempo real e verificar como está a percepção dos alunos sobre o conteúdo abordado em aula.

Recurso visuais: trazer imagens, desenhos e demais recursos do gênero para a aula é uma alternativa interessante, pois muitas pessoas têm uma facilidade de aprender por possuírem uma memória visual. De acordo com uma pesquisa da Video Viewers, encomendada pelo Google e realizada pela Provokers, empresa com foco em marcas e negócios, 95% dos brasileiros costumam ver vídeos online, por isso, outra alternativa é adicionar este recurso às apresentações.

Desenvolvimento de habilidades em especial as multidisciplinares. O aluno que estuda de forma remota, precisa ter disciplina, organização, gestão de tempo, concentração e interação com professores e colegas para assimilar o conteúdo abordado em sala. Para isso, ele exercita diversas habilidades, tais como a comunicação, expertises digitais e até mesmo de foco ao longo do estudo.

Aluno protagonista da aprendizagem: ao estudar de forma remota o aluno tem mais liberdade para opinar em sua educação. Além de ferramenta fundamental para a aprendizagem, o professor passa a fazer também o papel de mediador em sala, permitindo ao estudante que ele promova debates e questionamentos com os colegas.

Flexibilidade: além de evitar o deslocamento, o aluno pode ter o conteúdo no momento que quiser acessá-lo, pois este fica gravado para ser revisado quando houver o desejo ou a necessidade. Além disso, o aluno não precisa ficar preso aos horários, pode fazer seu próprio cronograma de estudos. Um estudante com dificuldade em uma determinada disciplina pode assistir diversas vezes às aulas desta matéria. Pode também utilizar os materiais como revisão e realizar os exercícios propostos para tirar suas dúvidas.

Acompanhe aqui mais notícias sobre negócios.

Este conteúdo de divulgação comercial foi fornecido
Por FSB Comunicação
e não é de responsabilidade de revistaempreende.com.br