fbpx

Fórum Econômico Mundial: Líderes empresariais globais apoiam a convergência ESG

Mais de 50 líderes empresariais, incluindo membros do Fórum Econômico Mundial e seu Conselho Internacional de Negócios (IBC), se comprometeram com as principais métricas de capitalismo de stakeholders (acionistas e partes interessadas) divulgadas pelo IBC

Genebra, Suíça, 26 de janeiro de 2021 – Uma coalizão crescente de mais de 50 líderes empresariais de todos os setores anunciou hoje seu compromisso com as Métricas de Capitalismo de stakeholders (Stakeholder Capitalism Metrics) um conjunto de métricas e recomendações ambientais, sociais e de governança (ESG) divulgadas pelo Fórum Econômico Mundial e seu International Business Council (IBC) em setembro de 2020, que mede a criação de valor empresarial a longo prazo para todas as partes interessadas (stakeholders).

As Métricas de Capitalismo de stakeholders, elaborada a partir de padrões voluntários existentes e oferece um conjunto básico de 21 métricas universais comparáveis com foco nas pessoas, planeta, prosperidade e princípios de governança que são considerados mais críticos para os negócios, a sociedade e o planeta, e que as empresas podem relatar independentemente da indústria ou região. Elas fortalecem a capacidade das empresas e investidores de avaliar o progresso em questões de sustentabilidade, melhorando assim a tomada de decisões e aumentando a transparência e a responsabilidade em relação ao valor compartilhado e sustentável que as empresas criam.


Esses líderes e suas organizações, incluindo Dow, HSBC, Mahindra, PayPal e Takeda se comprometeram a:

1. Refletir as principais métricas em seus relatórios para investidores e outras partes interessadas (por exemplo, relatório anual, relatório de sustentabilidade, declarações de procuração ou outros materiais), relatando as métricas mais relevantes para seus negócios ou explicando brevemente por que uma abordagem diferente é mais apropriada;

2. Apoiar publicamente este trabalho e incentivar seus parceiros de negócios a fazê-lo;

3. Promover a maior convergência dos padrões, estruturas e princípios ESG existentes para apoiar o progresso em direção a uma solução globalmente aceita para relatórios não financeiros em métricas ESG comuns.

Ao assumir esses compromissos, os líderes de negócios estão sinalizando que os fatores ESG são cada vez mais críticos para o sucesso e a viabilidade de longo prazo de todos os negócios. Isso representa claramente a intenção das principais empresas globais de integrar a sustentabilidade em suas principais estratégias, operações e divulgações corporativas.

“O capitalismo de stakeholders agora se tornou realmente popular”, disse Klaus Schwab, fundador e presidente executivo do Fórum Econômico Mundial. “O comprometimento público das empresas em relatar não apenas questões financeiras, mas também seus impactos ESG são um passo importante em direção a uma economia global que trabalha para o progresso, as pessoas e o planeta.”

“Temos que oferecer ótimos retornos para nossos acionistas e ajudar a impulsionar o progresso nas prioridades mais importantes da sociedade”, disse Brian Moynihan, presidente e CEO do Bank of America e presidente do Conselho Internacional de Negócios. “Esse é o capitalismo de stakeholders em ação. Métricas comuns ajudarão todas as partes interessadas a medir o progresso que estamos fazendo e garantir que os recursos que o capitalismo pode reunir – de empresas, investidores e outros – sejam direcionados para onde possam fazer a maior diferença.”

O Fórum Econômico Mundial, em colaboração com o Bank of America, Deloitte, EY, KPMG e PwC, fez a curadoria do conjunto de 21 métricas principais e 34 expandidas nos últimos dois anos com o apoio de mais de 140 stakeholders.

As métricas incluem divulgações não financeiras centradas em quatro pilares: pessoas, planeta, prosperidade e princípios de governança. Intencionalmente construídos sobre os padrões existentes, os pilares incluem métricas como emissões de gases de efeito estufa, igualdade de remuneração e diversidade do conselho, entre outros.

Ao adotar e reportar essas métricas e divulgações, a comunidade empresarial continuará a catalisar uma maior cooperação e alinhamento entre os padrões existentes e estimular o progresso no desenvolvimento de um conjunto sistêmico e globalmente aceito de padrões comuns para relatar o desempenho da sustentabilidade.

Afirmações de especialistas:

“Mudanças climáticas descontroladas, degradação ambiental e desigualdade social são alguns dos maiores problemas que o mundo enfrenta”, disse Alan Jope, CEO da Unilever. “Os relatórios e contas anuais das empresas podem não ser o primeiro mecanismo de mudança que vem à mente, mas relatórios não financeiros padronizados e obrigatórios são essenciais para criar uma nova forma de capitalismo que enfrente esses problemas. O trabalho do IBC do Fórum é um passo importante à frente e estamos oferecendo nosso apoio incondicional. “

“Embora haja uma demanda crescente de investidores que reconhecem que a divulgação ESG é vital para boas decisões de investimento, ainda não há uma estrutura internacional acordada”, disse Geraldine Matchett, Co-CEO e Diretora Financeira e Membro do Conselho de Administração da Royal DSM. “Espero que as Métricas do Capitalismo de Stakeholders sejam um primeiro passo para a convergência das métricas e padrões existentes. Esta será uma das maneiras mais rápidas de acelerar a mudança sistêmica de que o mundo precisa, colocando os investidores no caminho certo, ajudando a mudar o comportamento do consumidor para melhor e ajudando as empresas a fazer a coisa certa”.

Sobre a iniciativa Measuring Stakeholder Capitalism:

Em agosto de 2019, a pedido de seu IBC, o Fórum Econômico Mundial colaborou com Deloitte, EY, KPMG e PwC em um projeto para identificar um conjunto de métricas e divulgações universais – Stakeholder Capitalism Metrics – deliberadamente elaborado a partir de padrões existentes, com foco nos quatro temas: princípios de governança, planeta, pessoas e prosperidade. Em setembro de 2020, após um processo de consulta de seis meses com mais de 200 empresas, investidores e partes interessadas, o projeto publicou um conjunto refinado de 21 principais e 34 métricas e divulgações expandidas em seu relatório Measuring Stakeholder Capitalism: Towards Common Metrics and Consistent Reporting of Sustainable Value Creation.

A iniciativa Stakeholder Capitalism Metrics visa melhorar as formas como as empresas medem e demonstram seu desempenho em relação aos indicadores ESG e possibilitar contribuições positivas para o cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Os objetivos gêmeos do projeto são acelerar a convergência entre os principais definidores de padrões ESG privados e trazer maior comparabilidade e consistência aos relatórios de divulgações ESG.

A Agenda de Davos

A pandemia COVID-19 continua a aumentar as desigualdades, com repercussões desproporcionais para grupos desfavorecidos e minorias. Quais políticas, práticas e parcerias são necessárias para incorporar equidade e inclusão em nossos sistemas econômicos? A Agenda de Davos é uma mobilização pioneira de líderes globais com o objetivo de reconstruir a confiança para moldar os princípios, políticas e parcerias necessárias em 2021. Apresenta uma semana inteira (de 25 a 29 de janeiro) de programação global dedicada a ajudar os líderes a escolherem soluções inovadoras e ousadas para conter os efeitos da pandemia e impulsionar uma recuperação robusta no próximo ano. Chefes de Estado, executivos, líderes da sociedade civil e a mídia global participarão ativamente de quase 100 sessões que cobrem cinco temas.

Leia também:

O que esperar dos Sistemas Financeiros durante e após o coronavírus?

De uma hora para outra o Brasil parou e a Economia foi parar na UTI

Energia, Petróleo, Etanol, Soja e Café. E agora?



Este conteúdo de divulgação foi fornecido

Por Advice Comunicação Corporativa
e não é de responsabilidade de revistaempreende.com.br