Com apoio da ABF, foi criada frente parlamentar que dará apoio ao mercado de varejo e e-commerce

Instalada nesta ultima quinta-feira (04), a FREVEC, presidida pelo deputado Christino Áureo, terá papel importante no ambiente de negócios de um forte setor da economia

São Paulo, fevereiro de 2021 – Foi criada, nesta quinta-feira (04), a Frente Parlamentar Mista de Apoio ao Mercado de Varejo e E-Commerce (FREVEC). Presidida pelo deputado federal Christino Áureo (PP-RJ), ela é instalada num momento em que a sobrevivência das pequenas empresas tem sido desafiadora, sobretudo por causa do impacto avassalador causado pela pandemia. Uma iniciativa que chega para amparar o ambiente de negócios no Brasil, contribuir com a retomada após a crise financeira que tomou conta do país, mas que também vai ao encontro do alto crescimento do comércio digital, que avança cada vez mais e exige modernização da legislação e cuidado com a sua regulamentação.

Não poderíamos prever, quando fizemos a proposta de criação da Frente, que seria tão representativa pelo momento que estamos vivendo. Ela congrega todo o ambiente de e-commerce e trata do varejo. Lida com setores que estão fortemente afetados pela pandemia. É um momento de muito desafio para a sobrevivência dos negócios, especialmente dos pequenos. Por outro lado, o comércio digital, como plataforma, tem crescido muito. Várias empresas têm sobrevivido porque criam espaço para a inovação“, afirma Christino Áureo.

Estudos da Ebit/Nielsen, maior plataforma de consumidores do Brasil, indicam que a expectativa é de que as vendas no comércio eletrônico no Brasil alcancem a expressiva marca de R﹩ 110 bilhões, com aumento de 16% no número de pedidos – valor que corresponde a 225 milhões de encomendas ao redor do país. Ainda segundo o estudo, as categorias que devem se destacar são Alimentos e Bebidas, Arte e Antiguidade, Artigos para Bebês, Casa e Decoração e Construção.

Para se ter uma ideia da robustez do e-commerce, dados do MCC-ENET, desenvolvido pelo Comitê de Métricas da Câmara Brasileira da Economia Digital, em parceria com o Neotrust/Movimento Compre & Confie, mostram que o segmento cresceu 73,88% no ano passado. Em relação ao faturamento, a alta foi de 83,68% em 2020. No acumulado do ano, a participação do segmento no comércio varejista corresponde a 9,3%, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O comércio eletrônico faturou R﹩ 231,9 bilhões em 2020, segundo o boletim sobre as notas fiscais eletrônicas da Receita Federal.

Christino Áureo destaca a importância de que as pequenas empresas repensem o seu modelo de negócios para que, dentro de suas possibilidades, possam se adequar às novas exigências e aos moldes do que o mercado pede. Ele cita, ainda, a importância que a FREVEC terá junto ao segmento de franquias, que sofreu um duro golpe com a crise gerada pela pandemia.

“A Frente atuará, entre outras finalidades, junto às franquias, porque esse setor é muito promissor, capilarizado na economia e na vida das cidades. Não existe nenhum município brasileiro que não tenha a sua representação”, acrescenta o deputado.

O franchising brasileiro vem se transformando e se adaptando às mudanças e necessidades. É um setor muito representativo da economia, cujo faturamento anual é da casa de R﹩ 186 bilhões, de acordo com a Associação Brasileira de Franchising (ABF). É um setor responsável por 2,6% do PIB brasileiro. São 1,3 milhões de empregos diretos e cera de 5 milhões de maneira indireta.

“A criação da Frente Parlamentar é um dia histórico para o Franchising Brasileiro. Nosso setor responde por 2,6% do PIB, fatura anualmente cerca de R 186 bilhões e emprega diretamente 1,3 milhão de pessoas. Somos um recorte organizado formado majoritariamente por micro e pequenos empresários que agem sob uma mesma bandeira, compartilhando know-how e tendo ganhos de escala. No entanto, precisamos melhorar o ambiente de negócios e de medidas emergências para atravessar a pandemia com menos sobressaltos e mantendo renda, empregos e geração de impostos. Estou seguro de que a Frente irá nos ajudar em tornar realidade essas medidas”, disse o presidente da Associação Brasileira de Franchising – ABF, André Friedheim.

O vice-presidente da ABF, Antonio Moreira Leite, que também participou dos trabalhos, ressaltou que “as franquias poderiam ter um papel ainda maior na retomada da economia se alguns entraves fossem superados. É o caso, por exemplo, da aplicação do IGPM no reajuste dos aluguéis de shoppings. Este índice leva em consideração aumento de custos não relacionados a relação locatícia entre franqueados e shoppings. Outros pontos importantes são a criação de uma proposta ampla de um Refis para pequenas e médias empresas e a extensão de linhas de auxílio aos empreendedores como o Pronampe”.

Leia também:

De uma hora para outra o Brasil parou e a Economia foi parar na UTI

Vamos Superar esse Momento, mas Não voltaremos ao estado de Antes

O que esperar dos Sistemas Financeiros durante e após o coronavírus?

Este conteúdo de divulgação foi fornecido
Por DFREIRE Comunicação e Negócios
e não é de responsabilidade de revistaempreende.com.br