fbpx

ESG: crescer de forma sustentável está no topo do ranking de prioridades do mercado

Potencializada pela pandemia, a urgência em tornar os negócios mais sustentáveis se tornou prioridade para as companhias. Para uma economia positiva, elas investem na redução dos impactos ambientais, ampliação das boas práticas de governança e ações de impacto social

São Paulo, 16 de fevereiro de 2021. Um levantamento feito pelo Google Trends, aponta que o termo de pesquisa “ESG” – sigla em inglês para Ambiental, Social e Governança Corporativa – nunca foi tão popular quanto na atualidade.

Segundo a análise, em comparação com o início de março de 2020, o número de consultas ao termo dobrou em janeiro este ano. O estudo comprova uma realidade cada vez mais presente no cotidiano corporativo: empresas com propósitos sociais e práticas de gestão sustentáveis atraem investimentos mais responsáveis e geram o que os especialistas chamam agora de ‘economia positiva’. “A economia positiva oferece uma forma de suportar e capturar as oportunidades econômicas nos negócios sustentáveis. Mais de US﹩ 12 bilhões de oportunidades de mercado podem ser gerados todos os anos a partir do final desta década como resultado do alinhamento dos governos e empresas com objetivos de sustentabilidade”, destaca Béryl Bouvier, da global OFI Asset Managment, em entrevista ao portal de investimentos FundsPeople.

Na análise, a especialista destaca que este é um cenário que já vinha se desenhando nos últimos anos, mas foi com a pandemia que os conceitos de ESG ajudaram a canalizar investimentos e impulsionaram performances no mercado. “O que o COVID mostrou é que a qualidade de uma empresa é maior quanto mais agregada de fatores ESG.Uma boa empresa é uma empresa que gera bom negócio baseada em boas práticas. Vimos como a pandemia trouxe para cima da mesa a questão social e do capital humano. O propósito de uma empresa é cada vez mais importante e os investidores estão atentos ao papel que elas desempenham na relação com todos os stakeholders, com os colaboradores, com os fornecedores, com o estado”, comenta.

Desenvolvimento econômico mais sustentável e perenidade dos negócios

Diante dessa tendência global de negócios com impactos positivos e boas práticas de gestão, empresas seguem ressignificado seus negócios e estruturando atividades sobre aspectos da diversidade no ambiente de trabalho, eficiência no uso de recursos, controles de risco, para contribuir com a tomada de decisão dos investidores. Trazendo este cenário para o Brasil, é possível encontrar empresas que já nasceram com os conceitos de ESG no DNA, como o Grupo Sabin.

Há 36 anos atuando no mercado brasileiro, a empresa investe em um desenvolvimento econômico mais sustentável e pratica valores fundamentais que garantam avanços e atividades com os menores impactos ambientais. Referência em medicina diagnóstica, a empresa é uma das protagonistas na missão de engajar uma cultura organizacional voltada ao pensar de forma sustentável para impactar positivamente a vida das comunidades. Com propósitos e valores autênticos, a empresa investe continuamente para que essas práticas permeiem sua estrutura organizacional, seus processos de gestão e inspirem marcas e sociedade. “No Grupo Sabin, incentivamos melhores práticas em cada detalhe para oferecer serviços de saúde com excelência, considerando aspectos ambiental, social e econômico-financeiro inspirados pela filosofia empresarial, que nos permitiu crescer ano a ano e implantar um modelo de governança corporativa, em 2013, um dos marcos na nossa história”, destaca a Presidente Executiva do Grupo Sabin, Lídia Abdalla.

Desde a sua fundação, o Grupo atua comprometido com os valores que conduzem a história do Sabin: credibilidade, ética, responsabilidade socioambiental, inovação, qualidade, respeito à vida e simplicidade. “São valores que nos guiam e fortalecem a longevidade da nossa marca e permeiam nossas ações em todos os aspectos. Evoluímos com novos paradigmas, estruturamos o braço social do grupo em 2005, o Instituto Sabin, que ao longo dos anos consolidou a atuação em programas e ações de filantropia e voluntariado corporativo, responsabilidade social, investimento social privado, atuando ativamente na melhoria da qualidade de vida nas comunidades brasileiras.”

A executiva detalha ainda que deixar um legado positivo fomenta a aplicação da cultura do ESG nos processos do Sabin, desde os investimentos contínuos na segurança do paciente, passando por um sistema de gestão de processos que controla e minimiza riscos. Atrelada à essas iniciativas está a atualização científica e tecnológica, que respalda a precisão e eficiência dos serviços ofertados. Há mais de 15 anos, o Sabin é signatário do Pacto Global, realizado entre a ONU e empresas, engajando a comunidade empresarial na disseminação de práticas e políticas de sustentabilidade. Já em 2016, a empresa se tornou signatária dos 7 Princípios do Empoderamento das Mulheres, da ONU Mulheres, fomentando a participação delas em todos os setores da economia. Há 5 anos consecutivos, o Sabin recebe a declaração de cumprimento da norma ISO 31000, de gestão de riscos.

“Recebemos o Certificado de Uso de Energia Renovável 2020, que destaca a atuação do Sabin no edifício sede, em Brasília, onde a energia consumida é produzida por fontes geradoras renováveis e incentivadas, contribuindo para a redução da emissão dos gases de efeito estufa. Compramos energia no mercado livre de energia, implementamos medidas voltadas para a conservação do meio ambiente, reforçando o nosso programa ambiental e a manutenção do selo LEED Green Building Program, certificado internacional para edificações sustentáveis à nossa Sede”.

São práticas que são incorporadas ano após ano na empresa e resultam hoje em uma estrutura sólida para investir no crescimento orgânico e inorgânico, preservando e respeitando a sociedade e as relações com a sociedade e toda a cadeia produtiva.” Assim, continuamos engajados na missão especial de inspirar e influenciar a sociedade na construção de contexto empresarial ético, que valorize o ser humano, a diversidade e inclusão, o meio ambiente e as boas práticas de governança. Nossas ações no presente para garantir um futuro melhor para diferentes gerações”, finaliza.

Leia também:

De uma hora para outra o Brasil parou e a Economia foi parar na UTI

Vamos Superar esse Momento, mas Não voltaremos ao estado de Antes

Indústria de Bens de Consumo passa por Transformações

Este conteúdo de divulgação foi fornecido
Por  FSB Comunicação
e não é de responsabilidade de revistaempreende.com.br