fbpx

E-commerce global pode movimentar US$ 2,7 trilhões em 2021

Até 2025, receitas globais devem chegar a US$ 3,4 trilhões. Segundo consultoria italiana, categorias de moda e brinquedos estão entre as mais procuradas nas compras online

De acordo com dados da consultoria Finaria.it, as vendas pela internet, impulsionadas pela pandemia com o novo coronavírus, prometem crescer ainda mais no mundo e atingir o valor de US$ 2,7 trilhões em 2021. Até o fim de 2025 as receitas globais de comércio eletrônico devem chegar a US$ 3,4 trilhões.

Segundo a consultoria, o número de usuários de e-commerce no mundo aumentou 9,5% em 2020 atingindo mais de 3,4 bilhões de pessoas em 2020. A tendência de crescimento deve continuar neste ano e crescer 10% em relação ao ano passado, alcançando 3,8 bilhões de consumidores.

É uma tendência que veio para ficar. Estamos digitalizando muitos processos que antes eram totalmente físicos para garantir ainda mais conforto ao consumidor. Muitos varejistas físicos adotaram o Whatsapp como canal de compra digitalizando uma compra que seria física. Grande parte do varejo também permitte que se faça a compra por marketplace ou Whatsapp e a retirada seja por meio de drive-thru, o que também é confortável para o consumidor que quer retirar a compra de forma rápida”, explica Felipe Dellacqua, sócio da VTEX, empresa que provê plataforma de e-commerce para um quarto das lojas virtuais do País.

A categoria de moda é a mais representativa nas compras online, com expectativa de gerar US$ 759,5 bilhões de receita em 2021, um aumento de 15%. Nos próximos quatro anos, as vendas online de vestuário e acessórios devem atingir a marca de US$ 1 trilhão.

É inegável que a população dentro de casa e trabalhando de forma remota aumentou o acesso a internet e principalmente a sites de comércio eletrônico. Hoje a compra ocorre por dois motivos, uma por necessidade e outra por impulso. Percebemos um aumento gigantesco na categoria de moda, que certamente é por impulso, visto que muitas pessoas têm evitado sair de casa para usar suas roupas novas“, comenta Felipe.

Já a categoria de brinquedos e hobbies, com US$ 590,7 bilhões de receita prevista para este ano, o que representa 12% de crescimento, foi classificada como a segunda maior no e-commerce mundial.

Em 2020, a criança foi tirada da sua rotina de ir para a escola, encontrar os coleguinhas e ficou muito entediada. O mercado cresceu muito porque os pais passaram a comprar produtos para entreter as crianças e conseguirem trabalhar”, complementa.

Leia também:

Indústria de Bens de Consumo passa por Transformações

Vamos Superar esse Momento, mas Não voltaremos ao estado de Antes

Uma nova perspectiva para a Internet das Coisas em 2021

Este conteúdo de divulgação foi fornecido
Por  Hochmuller Cominicação
e não é de responsabilidade de revistaempreende.com.br