fbpx

Tecnologia ajuda a manter aquecidos mercados tradicionais, como o imobiliário, durante a pandemia

Com grande parte da população consumindo online, corretores falam sobre como ferramentas desenvolvidas por startups, como o Homer, têm sido cruciais para manter o mercado aquecido; 60% notaram crescimento de até 50% nas vendas na quarentena

Desde o início do isolamento/distanciamento social por causa da pandemia, em março do ano passado, grande parte das empresas têm voltado seus esforços a promover uma boa jornada virtual aos consumidores. Isso porque, hoje, além desta ser a única opção viável para preservar a saúde de todos, a experiência no ambiente digital vem para resolver vários problemas antigos de alguns mercados, como o imobiliário, por exemplo. Com os potenciais compradores online, os agendamentos e as visitas passaram a ser feitos também pela internet, com direito a tour 360 ou realidade virtual. E para concluir uma compra ou alugar um imóvel, não é preciso mais ir até uma imobiliária, os contratos com assinatura digital possibilitam que, com apenas alguns cliques, negócios sejam fechados.

Essas são algumas das facilidades – necessidades – que já eram bastante aguardadas pelos consumidores que há tempos estão no ambiente online, facilidades que se tornaram realidade – e hoje se mostram fundamentais a esse mercado – graças a proptechs como o Homer , plataforma que oferece soluções tecnológicas aos corretores de imóveis de todo o Brasil. Inclusive, dados da startup revelam que o setor e o público se adaptaram rapidamente às novidades, tanto que, de março de 2020, quando entramos em quarentena, a março deste ano, 60% dos corretores afirmaram ter notado um crescimento de até 50% nas vendas .

Para Livia Rigueiral, CEO do Homer, a transformação digital no setor foi acelerada pela pandemia, mas deve continuar acontecendo a passos largos – mesmo quando todos estivermos vacinados -, porque os compradores estão mais imediatistas, e já perceberam que a tecnologia pode os ajudar a poupar tempo e encontrar o que procuram. “Tudo pode ser resolvido rapidamente online, principalmente se, ao contar com o auxílio de ferramentas tecnológicas, o comprador puder receber atendimento personalizado por parte do corretor de imóveis durante toda sua jornada de compra ou locação”, explica.

E falando em corretor de imóveis, você já parou para pensar o quão fundamental tem sido a inclusão desses profissionais nos projetos inovadores do setor, e de que forma o desenvolvimento de novas ferramentas voltadas a eles pode impactar no consumidor final?

A tecnologia a favor desses profissionais tem viabilizado, por exemplo, parcerias entre corretores de cidades, regiões e estados diferentes, com o propósito de encontrar exatamente o imóvel que o consumidor procura. Olha só mais informações sobre esse e outros vários benefícios que o uso de inteligência artificial pode gerar:

• Site imobiliário, marketplace de imóveis e parcerias online = Mais visibilidade

Um levantamento realizado em março deste ano pelo Homer revelou que 75% dos corretores atuam de forma independente, e apenas 25% têm suporte de imobiliárias. São milhares de profissionais que contam com soluções desenvolvidas por proptechs como o Homer para, por exemplo, ter um site imobiliário gratuitamente, estar em um marketplace de imóveis que já conta com quase R﹩600 bilhões em propriedades e onde há muito mais visibilidade junto aos clientes, e fazer parte de uma rede com mais de 50 mil corretores, que viabiliza parcerias com profissionais de outras cidades e estados. Só com esses três pontos mencionados, já é possível aumentar – e muito – as chances de venda, e o cliente consegue ter acesso a propriedades com características que está buscando, o que, consequentemente, gera uma boa avaliação quanto ao trabalho do corretor.

• Precificação usando inteligência artificial = Precisão e credibilidade

A precificação dos imóveis feita através de algoritmos – no caso do Homer, um algoritmo próprio que analisa o estado do imóvel e até particularidades de cada região -, além de agilizar o trabalho do corretor, torna a avaliação muito mais precisa ao analisar, por exemplo, se o imóvel está localizado mais perto ou mais longe da praia ou do metrô, chegando assim ao preço justo a ser cobrado do comprador e trazendo credibilidade ao profissional à frente da negociação.

• Marketing Digital = Captação de clientes

Investir em marketing e divulgação para atrair mais compradores no ambiente online é fundamental. Imóvel disponível para venda ou locação que não é visto não é lembrado. Tem que aparecer nas redes sociais, e as fotos da propriedade precisam ser boas e vendáveis. Por isso, o Homer Captações estimula os corretores e donos de imóveis a anunciar as propriedades, com suporte quanto a fotos, marketing e até posts patrocinados financiados pelo Homer.

Ao investir nessas ferramentas, o Homer viu o número de inscritos na plataforma aumentar 11%, chegando à marca de 50 mil cadastrados – dos quais 46% afirmaram ter feito novos negócios durante a quarentena, principalmente com a ajuda do aplicativo de parcerias do Homer. Segundo o corretor Anderson Ventin, 50% das vendas que ele realizou durante a pandemia foram graças às parcerias do Homer. “Às vezes o cliente pede um imóvel com características que eu não tenho no meu portfólio. É aí que aciono meus colegas em busca da propriedade ideal e aumento minhas chances de efetuar a venda”, explica Ventin, que zerou sua carta de imóveis à venda pelo menos três vezes nesta quarentena.

Para a CEO do Homer, com novas ferramentas tecnológicas, além das facilidades e da agilidade comuns ao ambiente digital, corretores e compradores conseguem melhorar sua comunicação e ter um bom relacionamento. “Entendo que esse diálogo personalizado está diretamente ligado ao sucesso nas vendas. As soluções são meio caminho andado. Mas contando com elas, fica mais fácil do corretor se dedicar ao comprador e a pensar no que os clientes buscam hoje e no futuro”, conclui.

Leia também:

O que esperar dos Sistemas Financeiros durante e após o coronavírus?

Blockchain: Uma Revolução Feita em Blocos

Inteligência Artificial: Ameaça ou Oportunidade?

Este conteúdo de divulgação foi fornecido
Por nr7 comunicação
e não é de responsabilidade de revistaempreende.com.br