fbpx

Christchurch, cidade na Ilha Sul na Nova Zelândia, superou adversidades e se transformou em importante polo de inovação

As dificuldades levaram a cidade a se concentrar no futuro, fomentando a tecnologia e o empreendedorismo criativo

Há 10 anos, Christchurch, na Ilha Sul na Nova Zelândia, foi atingida por um terremoto de grande magnitude que deixou grande parte da cidade em ruínas. Considerado um dos maiores desastres naturais do país, o terremoto trouxe inúmeros desafios à região e seus habitantes, mas também acabou guiando-os em direção à tecnologia e à criatividade. A cidade é hoje o maior polo de inovação da Nova Zelândia, e mentes criativa vêm combinando de cultura maori a recursos tecnológicos e criando soluções únicas.



Christchurch tem o ambiente perfeito para a criatividade e a visão de risco, por isso profissionais como Adam Hutchinson, fundador da startup oVRcome, estão aproveitando essa oportunidade. A partir de sua experiência pessoal de ansiedade quando era mais jovem, Hutchinson criou um aplicativo de realidade virtual que ajuda a superar fobias e ansiedades.

O software usa situações e locais da vida real para combater a ansiedade. De imagens de penhascos para lidar com o medo de altura, de tarântulas do museu de Canterbury para combater o medo de aranhas e do aeroporto de Christchurch para lutar contra o medo de voar, as belas paisagens da Nova Zelândia são o cenário perfeito para essa terapia de exposição.

“Pessoas em todo o mundo podem assistir aos clipes, além de experimentar algumas das paisagens incríveis que temos na Nova Zelândia. Há pessoas que não têm acesso a profissionais especializados e esta é uma ferramenta que pode ser usada no conforto da própria casa”, afirma seu criador. O aplicativo está disponível para qualquer pessoa no mundo e basta fazer o download.

As instituições locais também contribuem para a prosperidade do empreendedorismo e da inovação. Fundado em 2002 com o ambicioso objetivo de “desbloquear o poder da inteligência humana”, o Laboratório de Tecnologia de Interface Humana da Nova Zelândia (HIT Lab NZ) foi pioneiro no desenvolvimento de aplicativos de realidade aumentada para smartphones. A equipe de pesquisadores é uma das maiores do mundo no segmento e lidera as pesquisas de realidade aumentada no país.

Os projetos ali desenvolvidos são centrados nas pessoas. “Conversamos com as pessoas e entendemos o problema delas, depois pensamos qual tecnologia disponível será mais adequada para solucioná-lo. Nós colocamos o humano em primeiro lugar e isso nos diferencia”, afirma o doutorando Rory Clifford, que atua em conjunto com a Fire & Emergency NZ, entidade de combate a incêndios.

Clifford fornece ferramentas que replicam o estresse de uma situação de fogo na vida real para que a equipe que atua na linha de frente esteja preparada para enfrentar grandes incêndios. Isso permite que, ao se depararem com situações reais, eles consigam focar nas atitudes que precisam ser tomadas.

Para o doutorando, seu passado maori proporcionou a capacidade de se conectar às pessoas, facilitando o trabalho com pessoas de culturas diferentes em outras organizações. Seu novo projeto, Marae Aotea, é focado em conectar neozelandeses com suas raízes, mesmo estando distantes. Isso será feito por meio da digitalização desses locais de encontro, que na língua maori são chamados “marae”.

A cultura dos ancestrais também é a inspiração da agência criativa digital Kaupapa Maori Maui Studios Aotearoa. O nome da empresa faz referência a Maui, herói da mitologia maori que é visto como inovador e abre seu próprio caminho para superar as adversidades.
“Sempre nos ensinaram que quem somos está imbuído de tudo o que fazemos. Por causa do nosso maoritanga (modo de vida maori), podemos criar resultados únicos”, afirma o diretor criativo Madison ‘Mads’ Henry Ryan.

Um de seus projetos atuais intitulado ” Santuário” transforma histórias que são tradicionalmente compartilhadas oralmente pelos anciãos na cultura maori em projetos digitais criativos que continuam a existir à medida que as pessoas passam.

“Eles sentem que suas histórias estão sendo respeitadas e a integridade é mantida, mas esse tipo de conteúdo ajudará os jovens a prosperar em entender quem são e construir seus caminhos”, diz Mads.

Mais do que um centro de inovação, Christchurch revela uma habilidade única de superar adversidades e aproveitar os desafios que enfrenta, sendo o local ideal para inspirar mentes criativas. Hoje, ela atrai lideranças mundiais em inovação tecnológica e mostrando que a engenhosidade e a resiliência nascem na adversidade.

Leia também:

Inteligência a Serviço das Cidades

A Hora e a Vez das Startups. Você está Pronto para a Jornada?

Inteligência Artificial: Ameaça ou Oportunidade?

Este conteúdo de divulgação foi fornecido
Por Ideal H+K Strategies Comunicação
e não é de responsabilidade de revistaempreende.com.br