Estudo aponta que apenas uma em cada três pessoas LGBTs fala abertamente sobre orientação sexual no trabalho

Tatiana Pimenta, fundadora e CEO da Vittude, destaca a importância da representatividade LGBTQIA+ nas empresas e atenção para os cuidados com a saúde mental desses profissionais

As estatísticas de empregabilidade no Brasil reforçam a importância de debater a representatividade LGBTQIA+ dentro de empresas. Um estudo da OutNow, divulgado em abril deste ano, mostra que, no Brasil, apenas uma em cada três pessoas LGBTs fala abertamente sobre identidade de gênero ou orientação sexual no trabalho. Além de todo esse estigma de aceitação social, a população LGBTQIA+ precisa lidar com diversas questões relacionadas à saúde mental como ausência de autoestima, ansiedade, depressão. Uma pesquisa do coletivo #VoteLGBT mostra que 28% da população LGBTQIA+ já receberam algum diagnóstico de depressão.

Tatiana Pimenta, fundadora e CEO da Vittude, referência brasileira em psicologia online e educação emocional de alta qualidade, comenta as dificuldades dessas pessoas no ambiente profissional, e como muitas delas deixam de falar abertamente sobre o assunto. “Estamos falando de um processo doloroso no momento em que essas pessoas sentem a necessidade de esconder quem são dentro do seu ambiente de trabalho. Isso gera consequências à saúde mental e também influencia diretamente o desempenho profissional. Aqui na Vittude, temos psicólogos especializados que trabalham a relação da comunidade LBGTQIA+ com o mercado de trabalho”, explica.

O tratamento psicológico tem sido um grande aliado para a melhora na qualidade de vida da população LGBTQIA + principalmente quando falamos da aceitação dentro do ambiente de trabalho. Através da psicologia, as empresas podem construir espaços que apoiem o grupo e, dessa forma, contribui para a diminuição dos casos de LGBTfobia. Além disso, empresas que oferecem ambientes mais integrados e que valorizam a diversidade, alcançam um maior engajamento e produtividade da equipe, melhorando os resultados finais.

“Por isso, é importante que, além das empresas investirem na contratação do público LGBTQIA +, também tenham um olhar atento para a saúde mental deles, finaliza a empresária.

De acordo com uma pesquisa realizada pelo projeto Demitindo Preconceitos em 2020, com pessoas e representantes de recursos humanos do Paraná (PR), São Paulo (SP) e outros 12 estados, aponta que 38% das indústrias e empresas têm restrições para a contratação de pessoas LGBTQIA+. Essa resistência amplia o sentimento de desamparo, além de dificultar o processo de recrutamento, seleção e principalmente a inserção delas em um ambiente profissional em que se sintam confortáveis.

“É importante que as empresas contratem essas pessoas, mas principalmente que tenham um olhar atento de bem-estar e qualidade de vida, levando em conta a vulnerabilidade desses profissionais LGBTQIA+”, reforça Tatiana. A Vittude, referência brasileira em psicologia online e educação emocional de alta qualidade, oferece soluções eficientes de saúde mental para o mundo corporativo que vão desde a capacitação de lideranças a diagnósticos de saúde mental e qualidade de vida.

Leia também:

Não vá se Perder em Meio a tanta Informação

O Futuro pode Garantir Trabalho , mas não Emprego

A Hora e a Vez das Startups. Você está Pronto para a Jornada?

Este conteúdo de divulgação comercial foi fornecido
Por Pineapple Hub
e não é de responsabilidade de revistaempreende.com.br