fbpx

O corpo também fala. E deve ter toda atenção nas videoconferências

Especialista em comunicação faz alerta em relação a expressões corporais que ‘falam mais do que muitas palavras’ e podem ser desabonadoras no ambiente de trabalho; ela também destaca 7 dicas para melhorar o desempenho nas reuniões virtuais

Que as videoconferências são extremamente fatigantes, isso todo mundo já sabe. Pesquisas recentes, aliás, apontam que essas reuniões virtuais provocam desconforto, irritabilidade e potencializam o estresse. Ou seja, coisas que a gente não gosta de demonstrar em público, sobretudo, por educação.

Mas o que fazer para não transparecer esse tipo de ‘emoção’, sobretudo, no ambiente corporativo, onde lidamos com pessoas que merecem toda a nossa gentileza e atenção?

A resposta, segundo a especialista em comunicação corporativa, Juliana Algodoal, está não apenas na expressão oral, mas principalmente na expressão corporal. “Afinal, o corpo também fala!”, destaca ela, que é professora PhD em Análise do Discurso em Situação de Trabalho e tem mais de 30 anos de experiência na prestação de consultoria a executivos, políticos e gestores de grandes empresas.

Coisas que não podem ficar evidentes

Se até mesmo num papo informal, com velhos amigos, pega mal demonstrar impaciência, pressa ou qualquer outro tipo de incômodo, imagine então com um cliente, com um chefe ou uma autoridade?

“Geralmente, nesse tipo de situação, as pessoas instintivamente ficam atentas com a própria fala (ou seja, com o tom de voz, a eloquência) para não demonstrar sono, desinteresse, raiva etc. O que elas esquecem, contudo, é que o corpo também se comunica! – e, igualmente a voz, evidencia nossos sentimentos, mesmo quando queremos (ou temos que) escondê-los. Ou seja, assim como a fala, as expressões corporais também devem ser verificadas com atenção. Especialmente agora, que as relações estão cada vez mais digitais”, explica a especialista.

Ela lembra que, diferentemente das reuniões presenciais, onde os participantes geralmente observam quem conduz o encontro e isso centraliza o público, nas reuniões virtuais as pessoas olham para você o tempo todo e, pior, você se enxerga o tempo todo, o que acaba provocando um excesso de autoavaliação e, consequentemente, estresse.

“Essa questão foi alvo de um estudo recente da Universidade de Stanford, que concluiu que o usuário normalmente tem a sensação de prisão diante da tela e pouco se mexe ao longo das videoconferências. Trata-se de um problema vinculado diretamente à expressão corporal e que pode ser facilmente trabalhado a partir de técnicas simples, largamente utilizadas, além, claro, do descanso que é recomendável a todos – embora nem sempre possível”.

Mesmo diante da tela e de tantos expectores, ela garante que é possível interagir de forma mais leve e natural, harmonizando a fala e o gestual, ainda que o cansaço e o estresse sejam latentes. Tudo, claro, em nome do profissionalismo e das boas relações corporativas.

Dicas

Para ajudar o público nessa difícil missão, Juliana Algodoal separou sete dicas que incluem cuidados com o corpo, com a fala e condutas mais aconselháveis para o ambiente corporativo, durante as reuniões virtuais. Veja aqui:

• Assim como a voz, o corpo também transmite nossas emoções, portanto, controle o seu gestual para usá-lo de forma suave e calma. Evite, por exemplo, ficar mexendo a cabeça, esfregar/coçar o rosto, olhar para os lados. Tente, na medida em que a tecnologia permitir, olhar nos olhos das pessoas com quem conversa virtualmente, para criar conexão.

• As mãos também expressam muito dos nossos sentimentos. Mostrá-las não é algo ruim, mas sem exageros. Gestos suaves demonstram calma, confiança e engaja melhor quem assiste você. Do contrário, demonstram nervosismo.

• Evite marcar uma reunião virtual se o assunto puder ser resolvido por e-mail ou com um telefonema, pois reuniões virtuais são mais cansativas.

• Fazer reuniões de, no máximo, 30 a 40 minutos. Se forem mais longas, conciliar com pequenos intervalos


• Buscar ter espaços de trabalho em casa confortáveis minimiza o estresse e ajuda na produtividade


• Pausas sonorizadas como: ãhn e humm poluem sua fala e tiram o foco do conteúdo que está transmitindo.


• Usar o headset ou fones de ouvido nas reuniões aumenta o foco e reduz o ruído ambiente. Experimente!




Juliana Algodoal 


Considerada uma das maiores especialistas em Comunicação Corporativa do país, Juliana Algodoal é PhD em Análise do Discurso em Situação de Trabalho – Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem e fundadora da empresa Linguagem Direta*. Acumula mais de 30 anos de experiência no desenvolvimento de projetos que buscam aprimorar a interlocução no ambiente empresarial – tendo como clientes grandes companhias, como Novartis, Pfizer, Aché, Itaú, Citibank, Unimed, SKY, Samsung, Souza Cruz, dentre outras. Também é presidente do conselho administrativo Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. 

Leia também:

Indústria de Bens de Consumo passa por Transformações

Digitalização é palavra-chave para Empresas durante Pandemia

Vida a.c. e d.c.: Antes e Depois do Coronavírus

Este conteúdo de divulgação comercial foi fornecido
Por Pitchcom Comunicação 
e não é de responsabilidade de revistaempreende.com.br