fbpx

Visa adquire plataforma europeia de banco aberto Tink

A Visa anuncia que assinou um acordo definitivo para a compra da Tink, plataforma europeia de banco aberto que permite que instituições financeiras, fintechs e estabelecimentos comerciais criem ferramentas de gestão financeira, produtos e serviços personalizados para consumidores e empresas da Europa com base em seus dados financeiros. A aquisição da Tink custará 1,8 bilhão de euros à Visa e a contrapartida financeira inclui dinheiro e incentivos de retenção.

A Tink permite que seus clientes acessem dados financeiros agregados, usem serviços financeiros inteligentes – como informações de risco e verificação de conta – e criem ferramentas de gestão de finanças pessoais por meio de uma única API. A Tink está integrada com mais de 3.400 bancos e instituições financeiras, alcançando milhões de clientes bancários em toda a Europa. A empresa manterá sua marca e equipe de gestores e sua matriz permanecerá em Estocolmo, na Suécia.

A combinação da infraestrutura provada e do investimento contínuo da Visa em resiliência, segurança cibernética e prevenção de fraude com as APIs e a tecnologia da Tink – e o relacionamento que ela tem com seus clientes – deve ajudar a acelerar a adoção do banco aberto na Europa ao garantir uma plataforma segura e confiável para a inovação. Com isso, os consumidores irão poder controlar melhor suas experiências financeiras, o que inclui a gestão de suas finanças e de seus dados e objetivos financeiros. Ao mesmo tempo, pequenas e grandes empresas terão uma gama maior e mais personalizada de ferramentas para realizar operações digitais seguras, entre as quais, conciliação de extratos bancários e contas e habilitação de financiamento alternativo.

“A Visa está comprometida em fazer tudo o que puder para fomentar a inovação e dar autonomia aos consumidores em apoio às metas de banco aberto da Europa”, afirma Al Kelly, chairman e CEO da Visa. “Com a junção da rede das redes da Visa e as capacidades de banco aberto da Tink, entregaremos mais valor aos consumidores e empresas europeias com ferramentas que tornam sua vida financeira mais simples, confiável e segura.”

“Trabalhamos incansavelmente nos últimos 10 anos para transformar a Tink em uma plataforma de banco aberto líder na Europa e temos um orgulho incrível de tudo o que a nossa equipe criou. Construímos algo incrível e, ao mesmo tempo, estamos só começando. A união com a Visa nos tornará ainda mais rápidos e nos dará um alcance ainda maior. A Visa é a parceira perfeita para a próxima etapa da jornada da Tink e estamos extremamente empolgados com o que isso trará aos nossos funcionários e clientes e ao futuro dos serviços financeiros”, conta Daniel Kjellén, CEO e cofundador da Tink.

Charlotte Hogg, CEO da Visa Europa, complementa: “Esta aquisição é um sinal do nosso compromisso com a Europa. Encontramos na Tink uma parceira forte com a qual podemos acelerar a inovação em banco aberto para beneficiar todos os nossos clientes e os cidadãos do Reino Unido e da UE, enquanto investimos em empregos altamente especializados na área de tecnologia no continente.”

A legislação da União Europeia – a Diretriz de Serviços de Pagamento revisada (PSD2) – exige que os bancos habilitem o acesso de provedores externos registrados agindo em nome de seus clientes ou com o consentimento deles. Consequentemente, inovadores de todos os tipos, como instituições financeiras, fintechs, desenvolvedores, plataformas e estabelecimentos comerciais, estão usando um número cada vez maior de soluções de banco aberto para oferecer aos consumidores mais opções de como e onde compartilhar seus dados financeiros. A Tink é uma das mais de 440 prestadoras de serviços em toda a Europa que oferecem serviços de banco aberto.

A transação está sujeita a aprovações regulatórias e outras condições habituais de fechamento. A Visa financiará a aquisição com o dinheiro existente em caixa e a operação não afetará o programa de recompra de ações ou a política de dividendos já anunciada pela Visa.

Leia também:

Vida a.c. e d.c.: Antes e Depois do Coronavírus

Indústria de Bens de Consumo passa por Transformações

Vamos Superar esse Momento, mas Não voltaremos ao estado de Antes


Este conteúdo de divulgação foi fornecido
Por In Press Porter Novelli
e não é de responsabilidade de revistaempreende.com.br