A inovação dos ecossistemas de pagamentos instantâneos

Por *Nelson Taborda

No contexto de inovação dos ecossistemas de pagamento, a importância crescente é dada às facilidades para a entrega de sistemas de pagamento rápido/instantâneo. Na maioria dos países onde os pagamentos instantâneos foram implementados, a indústria de pagamentos foi inicialmente impulsionada a implementar IP como resultado de um mandato ou regulamentação governamental.

Em alguns países, os bancos centrais possuem e operam sistemas de pagamento instantâneo (por exemplo, Islândia, México). Em outros países, operadores privados – muitas vezes pertencentes a grandes bancos – (por exemplo, Austrália, Japão, Suécia e Reino Unido).

Mesmo em países onde os operadores privados fornecem serviços de autorização e compensação para pagamentos instantâneos, os serviços de liquidação são normalmente fornecidos pelo Banco Central. A maioria dos países se concentrou inicialmente em fornecer pagamentos mais rápidos de pessoa para pessoa e/ou pagamentos de negócios para empresas. Uma vez que esses tipos de pagamentos são frequentemente feitos hoje por cheques ou dinheiro, as opções de pagamento instantâneo oferecem oportunidades para maior eficiência de pagamento e recursos de dados aprimorados.

Muitos países que originalmente construíram sistemas IP usando padrões domésticos de mensagens, com capacidade limitada de transmitir dados de pagamento detalhados e/ou interoperabilidade transfronteiriça limitada, decidiram desde então fazer a transição para o padrão de mensagens mais rico ISO 20022, enquanto outros projetaram novos sistemas de pagamento com recursos aprimorados de dados e faturamento eletrônico em mente, permitindo que as empresas simplifiquem seus sistemas de contabilidade e automatizem processos de negócios.


Além do crescente número de FPSs de nível nacional operando em todo o mundo, há também um movimento em direção a uma maior interoperabilidade transfronteiriço entre os sistemas.

*Nelson Taborda é um empreendedor serial, com olhar 360º.
Graduado pela Nova School of Business & Economics – Xponential Business Administration e pela Singularity University Executive Program em Liderança Inovadora. CEO e Fundador do Atlantic Bank, 1º Neobank Blockchain da América Latina. Possui um conglomerado de quase 50 fintechs brasileiras e internacionais com uma base de clientes de mais de 2 milhões de usuários. Possui expertise no mercado financeiro digital. e é fonte sobre os temas: blockchain, neobank, fintechs.


Este conteúdo de divulgação foi fornecido
Por Agencia Mais
e não é de responsabilidade de revistaempreende.com.br