fbpx

Brasil acompanha as tendências de transformação digital, especialmente no quesito “tecnologia”, “liderança e cultura corporativa” e “estratégia corporativa”

No comparativo global, questões como “cadeia de suprimentos e redes”, “produtos e serviços” e “competências” são temas sensíveis para o País, de acordo com pesquisa apresentada durante o Webinar da ANPEI

A transformação digital e a consequente inovação em modelos de negócios alteraram a expectativa e o comportamento dos consumidores. De acordo com um levantamento feito pelo Fraunhofer IPK, instituto alemão voltado aos estudos de sistemas de produção e inovação, em parceria com a Associação Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento das Empresas Inovadoras (ANPEI), frente aos outros países, o Brasil acompanha as tendências de transformação digital, especialmente quando o assunto é “liderança e cultura corporativa”, “tecnologia” e “estratégia corporativa”.


No entanto, o tema torna-se sensível quando falamos da geração de “cadeia de suprimentos e redes”, “produtos e serviços” e, por fim, “competências”, segundo a pesquisa apresentada durante webinar sobre Transformação Digital, promovido pela ANPEI, única entidade brasileira multissetorial e independente do ecossistema de inovação.

Em relação ao futuro, os números da pesquisa mostram que, em outros países, a principal preocupação está direcionada à “tecnologia” (previsão de aumento de 81%) e à “organização e processos” (81%) – a dimensão menos relevante, na perspectiva global, é voltada a “produtos e serviços” (69% de aumento) e “cadeia de suprimentos e redes” (72%). No Brasil, a proporção pode ganhar forte importância para o futuro no quesito “emprego e competências” (82% de aumento), “estratégia corporativa”, “liderança e cultura corporativa” e “supply chain” (76%).


“Com base na pesquisa do Fraunhofer e ANPEI, é possível observar que, quando falamos de transformação digital no Brasil, existe o desafio de aumentar o grau de consciência e inserção do tema ‘digitalização’ dentro dos nossos negócios”, diz Filipe Cassapo, presidente do Enrich in LAC. Ainda de acordo com o executivo, no caso da digitalização, o país tem maior potencial de crescimento em áreas envolvendo estratégias, produtos e desenvolvimento de produtos.

Para Marcela Flores, diretora executiva da ANPEI, em um conceito mais macro, a transformação digital é incentivada, especialmente, pelos novos padrões de comportamento dos consumidores finais. “Há, obviamente, uma aceleração deste processo por causa da pandemia. No entanto, existem alguns fatores principais que levam à necessidade da transformação digital e isso está relacionado às tecnologias digitais, competição digital e, ainda, o comportamento digital deste consumidor”, explica Marcela.


Seções industriais

Em relação às seções industriais, o conjunto de dados apontou que, na comparação entre o Brasil e o cenário global, o País se destaca em “manufatura” e em “atividades profissionais científicas e técnicas”. Por outro lado, o Brasil está distante da transformação digital quando esse processo envolve “educação” e “comunicação e informação”.

Por fim, o instituto alemão e a ANPEI colheram, ainda, dados de pequenas, médias e grandes empresas (PMEs) – com menos de 250 funcionários. No estudo, 62% das companhias globais e 60% das organizações brasileiras são PMEs.


Sobre a ANPEI

Há 37 anos, a Associação Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento das Empresas Inovadoras (ANPEI) é a única entidade brasileira multissetorial e independente do ecossistema de inovação que trabalha em prol do avanço da inovação no país, discutindo e elaborando políticas públicas voltadas ao tema. A ANPEI também contabiliza 60% de todo o investimento em P&D&I do país e metade da carteira de investimento em inovação do BNDES.

Este conteúdo de divulgação comercial foi fornecido
Por OLIVER PRESS
e não é de responsabilidade de revistaempreende.com.br