Dia do empreendedor: CEOs dão dicas para quem deseja ter sucesso ao empreender

No primeiro semestre do ano, o Brasil registrou o maior número de novas empresas desde o início da série histórica em 2010, segundo a Serasa Experian. Isso significa que foram abertos mais de 2 milhões de novos negócios no país. Ou seja, a cada dois segundos surge uma nova empresa e empreendedores em potencial por aqui.

Dados do Sebrae indicam que a taxa de potenciais empreendedores chegou a 53% no último ano, impulsionado pela pandemia e as necessidades decorrentes da crise. O que significa que mais da metade da população não empreendedora cogita abrir algum tipo de negócio dentro dos próximos três anos, um aumento de 30% se comparado a 2019.

E pensando exatamente nesses novos empreendedores do país, alguns dos empresários que trilham esse caminho já há algum tempo e em diferentes segmentos de atuação, dão algumas dicas para quem está começando ou pretende começar nos próximos anos. Confira:


Georgios Frangulis, CEO e fundador da OAKBERRY, rede de fast food saudável
É muito importante que antes de empreender, a pessoa analise bem o mercado que deseja e encontre uma demanda ainda não atendida ou que é negligenciada. Fatores como preço, qualidade e experiência podem ser determinantes. Um negócio único e completamente novo pode não ser a melhor estratégia, muitas vezes o ideal é usar a criatividade e enxergar soluções para dificuldades presentes no dia a dia. A praticidade de pensar em inovar algo que já existe compensa o desgaste de inventar. E não importa se o negócio é um foodtruck ou um restaurante de quilo, mas precisa ter um padrão, pois cria e mantém a identidade da marca. O impacto da padronização ajuda na fidelização dos clientes e as pessoas gostam e se sentem familiarizadas com determinado produto quando tem a certeza que irão encontrá-lo da mesma forma, servido do mesmo jeito, com o mesmo sabor, valor, tempo de preparo e etc.


Maria Isabel Antonini, co-CEO da Singu, marketplace de beleza e bem-estar
“Jogo de cintura” é uma habilidade que Maria Isabel desenvolveu em sua trajetória no mercado financeiro, mas que também é de grande valor no seu dia a dia como Co-CEO da Singu, marketplace de beleza e bem-estar. Ao migrar de uma área tradicional para uma startup, a executiva teve que ter flexibilidade para lidar com o novo modelo de negócio e de trabalho. “Entrei na Singu como CFO e apesar do foco em finanças que o cargo exige, logo notei que não me restringiria a esse assunto. A cultura de ser pau pra toda obra é real em negócios disruptivos como a Singu”, relembra a profissional. Aos interessados em empreender, Maria ressalta que a capacidade de lidar com as adversidades é essencial, pois apesar do entusiasmo deslumbrante, abrir um próprio negócio não é um mar de rosas.

Thiago Lima, CTO Semantix e fundador do LinkApi
O pontapé inicial é entender se existe mercado. Muitas empresas nascem pelo sonho e ao longo do tempo vão descobrir que não existe mercado e que não é um problema real. Em seguida, é preciso analisar o tamanho de mercado para entender o objetivo do empreendedor. E por último avaliar se tem os meios necessários, entre pessoas, investimento, infraestrutura e dinheiro em caixa.

Patrícia Brazil, CEO do Ela Sonha, Ela Faz
Além de ficar atento ao mercado brasileiro, segue aqui uma dica de ouro: impostos mínimos e uma estrutura tributária simplificada facilitam vários aspectos da abertura e administração de uma empresa. Essa não é a realidade do Brasil, mas é a realidade do país que eu invisto e indico: Emirados Árabes Unidos, especificamente a cidade de Dubai. Os EAU são considerados um dos melhores países do mundo para se fazer negócios, e isso se deve à sua forte estrutura jurídica. Não é apenas para o negócio, mas também para investidores estrangeiros. Vale a pena ficar de olho.

Antonio Azevedo, CEO da LogiGO
Não indico que se faça um business plan e creia que aquilo vai acontecer na virgula. Em muitos casos o que você previu pode não se concretizar. O plano é totalmente diferente da realização. Você pode se programar o quanto quiser, quando você vai pro mercado, a coisa pode se comportar totalmente diferente e te surpreender negativamente. Prefiro iniciar de uma forma mais simples, mas já ir para operação e com isso você vai aprendendo com ela e aperfeiçoando. Gosto de errar pequeno e acertar grande.

Gabriel Boyer, empreendedor serial
É preciso entender que o coração das empresas está na área financeira e que poucas pessoas no mercado se atentam a isso. Temos um universo de empresas no mercado brasileiro sem acesso a corretas ferramentas de gestão e se você, empreendedor, se comprometer em desenvolver sua habilidade financeira e se cercar de um time de especialistas, você já estará à frente nessa corrida.

Eduardo Rocha, fundador e CEO do Klubi, fintech de consórcios
Empreender é uma jornada rica que exige humildade e disposição para aprender a todo momento, além de uma ampla visão de negócio. Otimismo e paixão também são fundamentais, mas devem estar em perfeito equilíbrio com determinação e resiliência. Isso porque, são inúmeros os obstáculos ao longo do caminho, altos e baixos, da euforia à frustração, e nesse turbilhão de emoções, faz toda a diferença ter foco no que realmente importa, perseverar, trabalhar duro diariamente, e aprender com os erros do passado, olhando para o futuro.

Rudá Pellini, autor do best-seller “O futuro do dinheiro”, cofundador da Wise&Trust
Empreender é um salto no escuro que, muitas vezes, exige mais do que inicialmente estamos dispostos a entregar, é a abnegação pessoal que coloca o projeto profissional à frente dos interesses pessoais, e o frio na barriga constante. Para obter o tão desejado sucesso “da noite para o dia”, é preciso trabalhar duro durante anos, compreender que pode – e vai – dar errado várias vezes até dar certo, ter disciplina para perseverar, e humildade para aprender. Um grande amigo meu costuma dizer que é impossível vencer aquele que nunca desiste, e acredito que empreender é exatamente isso, não perder o foco e encarar todos os desafios, pois vejo o empreendedorismo como a única forma de transformar o mundo.

Este conteúdo de divulgação foi fornecido
Por Fala Criativa
e não é de responsabilidade de revistaempreende.com.br