Komatsu coloca em operação os primeiros caminhões autônomos da marca no Brasil

Equipamentos não tripulados, utilizados no setor da mineração, garantem mais segurança e produtividade, além de redução de emissões de CO2

Em linha com as tendências globais de automatização e com o intuito de tornar as operações na mineração ainda mais sustentáveis, produtivas e seguras, a Komatsu – fabricante de equipamentos para mineração, construção e florestal -, traz ao Brasil a sua primeira linha de caminhões autônomos. Atualmente, são seis máquinas em operação no maior complexo de extração de minério de ferro do mundo, localizado em Carajás, no Pará. Outros quatro caminhões devem entrar em circulação até o final de 2021 no mesmo local.

Controlados por sistemas informatizados, GPS, radares e inteligência artificial, os caminhões autônomos da companhia percorrem o trajeto entre a frente de lavra da mineração e a área de descarga. O equipamento desenvolve ações dentro de suas camadas de segurança, podendo até interromper suas operações, se necessário, até que o caminho seja verificado e/ou desobstruído. Os sensores do sistema de segurança são capazes de detectar objetos maiores, como pedras grandes, veículos de pequeno porte, outros equipamentos tripulados, bem como obstáculos gerais nas proximidades da pista. Com isso, situações de risco, como tombamento, atropelamento e colisão, são eliminadas do processo.

Segundo Javier Mitsuyo Matsuda, gerente executivo do Projeto AHS (Sistema de Transporte Autônomo), além de garantir maior segurança da operação e colaboradores, uma operação dos caminhões totalmente remota e automatizada também resulta em significativos ganhos ambientais. “Com os controles autônomos, previsão e repetibilidade associadas ao sistema, conseguimos maior vida útil dos equipamentos e seus componentes. Outro ponto a destacar, de acordo com nossos dados globais, é a melhoria de cerca de 40% na vida útil dos pneus e freios, e em uma redução de 13% na manutenção geral, o que leva à diminuição dos resíduos gerados se comparado com a operação tripulada. Com isso, temos também redução da emissão de gases poluentes na atmosfera”, explica.

Em outra ponta, com a diminuição do número de paradas das máquinas para manutenção ou trocas de turnos, entre outros, pode ser observado um aumento de até 15% na produtividade. “Em todas as nossas operações, de forma geral, notamos impactos reais da automação em todo o processo produtivo. Os custos com carregamento e transporte de materiais, por exemplo, apresentam redução de até 15% se comparados com as operações que utilizam máquinas tripuladas”, ressalta Matsuda.

Capacitação de mão de obra

Com o objetivo de qualificar os profissionais que atuam em Carajás, a Komatsu montou uma estrutura específica para esta nova tecnologia e vem oferecendo treinamentos aos colaboradores para a operação adequada dos novos equipamentos autônomos. Até o momento, mais de 50 profissionais já foram capacitados, número que deve chegar a 120 pessoas até o final do ano.

A Komatsu possui um centro de treinamento em Parauapebas (PA) dedicado a capacitar as pessoas. Segundo o gerente executivo, o desenvolvimento humano para a inovação tecnológica é a chave para o sucesso e a empresa conta com um programa de treinamento “robusto e de altíssima qualidade”. “Participantes do programa tem retornado com ótimos feedbacks sobre a forma tão amigável de realizar o treinamento”, revela.

“Contamos com uma ótima estrutura, com simuladores Immersive e uma equipe de mais de 50 especialistas focados na implantação do projeto, suporte às operações e em qualificar a mão de obra local para atuar nesses novos postos de trabalho. Entendemos que esse é o futuro da mineração e, por isso, estamos investindo fortemente na região para termos cada dia mais profissionais bem preparados para lidar com esta tecnologia”, finaliza Matsuda.

Com ampla experiência no segmento de mineração, a Komatsu já movimentou, desde o início de suas operações comerciais com os caminhões autônomos, em 2008, um total de 4 bilhões de toneladas de material ao redor do mundo, e conta com uma frota de mais de 400 veículos comissionados com o sistema AHS. Sempre atenta ao que há de mais inovador no mercado, a empresa atua para oferecer tecnologia de ponta, auxiliando na transformação do setor mineral, que visa às práticas mais modernas, seguras e sustentáveis.

Evolução da tecnologia autônoma

Para continuar avançando na busca por soluções autônomas que garantam mais segurança e produtividade nas minas, a Komatsu iniciou os testes de um caminhão-pipa que conta com o Sistema de Transporte Autônomo (AHS). A tecnologia do veículo-conceito controla de forma autônoma tanto o movimento do caminhão quanto o desembolso de água. O novo caminhão deve estar disponível no mercado em 2022 e contará com um sistema que controla a quantidade de água utilizada, de acordo com a velocidade do veículo e a inclinação da estrada de transporte, além de gerenciar o histórico de irrigação para evitar desperdício de recursos naturais. A novidade foi apresentada no MINExpo 2021, um dos maiores eventos de mineração do mundo, que aconteceu em setembro, em Las Vegas (EUA).

Além do caminhão-pipa, a Komatsu também apresentou no evento testes em uma escavadeira hidráulica semiautônoma, a PC7000-11, demonstrando a sua capacidade em ajudar os clientes a avançar em metas de segurança e produtividade. Na MiNExpo, a empresa demonstrou ainda, por meio de um console remoto em Las Vegas, a máquina carregando um caminhão-conceito autônomo no Arizona.

A PC7000-11 apresenta recursos de teleoperação semiautomática para reduzir os tempos de ciclo e combater a fadiga do operador. A tecnologia de assistência do operador com realidade aumentada (AR) apoia a melhoria da produtividade, exibindo informações e dados para fornecer feedback em tempo real para o plano de produção. O desenvolvimento desta escavadeira hidráulica semiautônoma da classe de 700 toneladas com teleoperação está quase concluído e a Komatsu planeja testar a máquina-conceito no cliente em 2022.

Este conteúdo de divulgação comercial foi fornecido
Por Connectare Comunicação
e não é de responsabilidade de revistaempreende.com.br