fbpx

Cushman & Wakefield apresenta os indicadores de novembro do mercado imobiliário corporativo de alto padrão

Pelo segundo mês consecutivo, mercado de escritórios de SP registra resultados positivos, confirmando recuperação do setor

Em novembro, o mercado de escritórios de alto padrão de São Paulo apresentou mais uma vez resultados positivos. Foi registrada absorção líquida de 8.875 m², encerrando o mês com a taxa de vacância em 24,28%, queda de 0,24 p.p. MOM.

As ocupações ocorreram, principalmente, nas regiões da Faria Lima, Pinheiros e Chucri Zaidan por empresas do setor financeiro. O mês também teve alto número de locações, totalizando 19.332 m², o que deve contribuir ainda mais para a queda na taxa de vacância nos próximos meses.

A média do preço pedido diminuiu 0,68% MOM, fechando novembro em R$ 104,21 por m²/mês. Esse decréscimo se deve às saídas em edifícios na região de Pinheiros com aluguel mais baixo que a média do mercado, além das ocupações em edifícios com preço pedido elevado na região da Faria Lima. Contudo, em comparação YOY, o preço pedido apresentou aumento de 1,20%.

Mercado carioca registra diversas locações em novembro e ocupação nos próximos meses promete ser expressiva

O mercado de escritórios de alto padrão do Rio de Janeiro fechou o mês de novembro com pequeno aumento na taxa de vacância (+ 0,20 p.p. MOM), após absorção líquida negativa de 3.031 m² provenientes do Centro. Esse resultado reflete, sobretudo, a desocupação de empresas dos setores de Oil & Gas e financeiro. Com isso, a taxa de vacância atingiu 35,84% no final do período.

O mês de novembro, entretanto, apresentou diversas locações, totalizando 4.425 m² advindos das regiões do Centro e Orla por empresas do setor de Utility System e Oil & Gas. Dessa forma, a região de alto padrão do Rio de Janeiro já acumula quase 115 mil m² para serem ocupados nos próximos meses.

A média do preço pedido segue caindo e atingiu R$ 88,66/m²/mês, redução quase imperceptível em relação ao período anterior. Essa leve alteração (- 0,002% MOM) se deve, principalmente, às saídas em edifícios com preços pedidos mais baixos. Além disso, a cidade passa por um movimento flight to quality/flight to price, criando oportunidades para os inquilinos e exigindo maior flexibilidade nas negociações.

Cajamar se destaca e mercado logístico de SP registra maior número de entregas em um mês desde 2016

Em novembro, o mercado logístico de alto padrão de São Paulo registrou o maior número de entregas em um mês desde 2016, com 182,9 mil m² entregues, que estão concentrados na região de Cajamar – com 160,7 mil m² entregues – e em Barueri com 22,1 mil m².

São Paulo também registrou a maior absorção líquida do ano com 116,9 mil m², aumento de 52% se comparado ao mês anterior. A região de Cajamar foi o destaque novamente, com 114,1 mil m² de absorção, sendo que uma parcela das novas entregas já estava pré-locada. Logo em seguida, aparece a região do Vale do Paraíba, com 12,7 mil m². Essa é a terceira vez no ano que a região de Cajamar registra absorção líquida superior a 100 mil m², demonstrando a alta demanda que a região possui.          

Devido ao alto volume de novos estoques, a taxa de vacância sofreu aumento de 0,47 p.p. comparado ao mês anterior. Esta é apenas a quarta vez no ano que é registrada alta na taxa de vacância. Pelo fato das áreas entregues estarem disponíveis e localizadas em regiões que possuem um preço de aluguel pedido superior à média do estado, o preço pedido sofreu aumento de 2% comparado ao mês passado, fechando o período em R$ 20,19 por m².

Mercado logístico demonstra recuperação em novembro

Após registrar absorção líquida negativa no mês passado, o mercado logístico de alto padrão do Rio de Janeiro demonstrou recuperação em novembro, com absorção de 34,1 mil m², a quarta maior do ano. As regiões de Duque de Caxias e Queimados/Seropédica foram os destaques com 21,8 mil m² e 10,2 mil m², respectivamente.

Sem entrega de novos estoques e com absorção líquida positiva, a taxa de vacância sofreu queda de 1,47 p.p. comparada ao mês anterior, fechando novembro em 16,67%. Destaque para a região de Duque de Caxias que diminuiu sua taxa em 2,46 p.p. em relação ao mês passado e fechou o mês em 19,67%, sendo essa a primeira vez que a região registra uma vacância abaixo de 20%. O preço médio de aluguel pedido sofreu aumento novamente, dessa vez de 0,9% comparado ao mês anterior, fechando em R$ 19,63 por m².

Este conteúdo de divulgação comercial foi fornecido
Por Press Aporter
e não é de responsabilidade de revistaempreende.com.br