fbpx

dentsu Revela uma “Nova Ordem Mundial” no Relatório de Tendências Criativas 2022

Cinco temas-chave e cases são descritos para orientar as marcas na navegação neste novo cenário: Realidades Alternativas, Propriedade Redistribuída, Dissociação Consciente, Geração “Eu também” e Bolhas Pessoais.

Dentsu Creative Trends 2022: A Nova Ordem Mundial’ foi desenvolvido por estrategistas, talentos mais experientes e estrelas em ascensão da Geração Z da DentsuMB, Isobar, 360i, da dentsu, para entender a dinâmica cultural e comercial em rápida evolução.

O tema “Nova Ordem Mundial” reflete uma profunda mudança dos modelos tradicionais de comunidade, trabalho e pertencimento em direção a novos padrões, descentralizados e democratizados. Representa uma mudança em direção a redes de escolha, paixão e recompensa mútua, alimentadas por jogos, moedas criptográficas, força de trabalho distribuída e autonomia pessoal. Neste novo cenário, as marcas têm um importante papel a desempenhar tanto na criação de pontos de conexão cultural quanto na capacitação dos usuários para se reunirem em novas formas de compartilhar, colaborar, reutilizar e reestruturar.

O relatório contém estudos de caso de todos os setores, mercados e equipes de inovação líderes mundiais da dentsu para descobrir as forças que impulsionam e abalam a indústria.

Está descentralizada Nova Ordem Mundial foi explorada dentro de cinco temas-chave:

REALIDADES ALTERNATIVAS
A ascensão e crescimento das economias virtuais cria o potencial para universos totalmente paralelos com identidade, moeda e bens não menos valiosos do que os do mundo real. Vemos a ascensão do que chamamos de “Sinalização Virtual” – uma economia de luxo moldada para o mundo virtual à medida que as marcas de luxo abraçam os jogos, os produtos virtuais e as lojas virtuais. Exploramos a ideia de Meta-Morphosis; a capacidade dos jovens consumidores de brincar com a identificação em espaços seguros com sinergias cada vez mais sofisticadas entre personas reais e virtuais e o surgimento de streamers virtuais e YouTubers. Enquanto isso, a economia da desinformação compõe nossa capacidade de conviver uns com os outros com percepções totalmente diferentes da realidade.

PROPRIEDADE REDISTRIBUÍDA
Acelerados pela moeda criptográfica, e alimentados pelas comunidades de fãs, novos modelos de propriedade surgem obscurecendo as fronteiras entre fãs e criadores, proprietários e jogadores. As Organizações Autônomas Descentralizadas (DAOs) criaram um novo modelo de governança, transparência e ação coletiva. A moeda criptográfica engaja uma nova demografia de investidores como a única vertical financeira que se sobrepõe a investidores mais jovens versus investidores mais maduros, enquanto a adoção de NFTs pelas marcas convencionais pode tornar a entrada no mundo da coleta de ativos digitais acessível a muitos. Enquanto isso, o crescimento desenfreado do Live Streaming cria indivíduos com a capacidade de vender bilhões de dólares de produto em um único dia, lembrando às empresas em todos os lugares a necessidade de uma abordagem mais humana e voltada para o conteúdo do comércio.

DISSOCIAÇÃO CONSCIENTE
Outro fator significativo que impulsiona a grande mudança vinda do centro é a urgência cada vez maior da crise climática.
Uma geração de profissionais de marketing se pergunta como podem dissociar o crescimento econômico dos danos ambientais, com 81% das CMOs concordando que seus negócios sofrerão um impulso fundamental em resposta à mudança climática – do acesso à propriedade, ou do automotivo à mobilidade, por exemplo. A necessidade de mudar de uma economia baseada no consumo para uma economia circular tem feito com que modelos de aluguel e plataformas de reciclagem ganhem uma popularidade nunca vista antes, através de categorias como moda e interiores. Vemos também uma geração de talentos repensando seu futuro e a prevalência do trabalho em um clima imprevisível; só em agosto, 4,3 milhões de americanos deixaram seus empregos.

GERAÇÃO “EU TAMBÉM”
A quarta tendência dentro da grande descentralização diz respeito à descentralização da identidade. A identidade é fluida. Com a passagem da idade como a geração mais diversa, multicultural e não binária da história, esta geração joga confortavelmente com identidade, gêneros e formatos.

• Os limites são desfocados sem esforços; 44% usam o YouTube como um canal de consultoria de investimento; 77% veem o TikTok como uma plataforma para se envolver com o ativismo político; os jogos são usados como um espaço para navegar por questões sociais importantes. Eles navegam com facilidade do sério ao bobo, profundo ao lúdico, misturando e combinando cultura com a fluência de uma geração criada em memes. Dentro deste contexto nenhuma colaboração ou co-criação parece muito improvável, vivemos em um mundo onde parece inteiramente conveniente para a Gucci fazer parceria com a North Face, Balenciaga com os Simpsons, Oreo com o Pokémon. A incompatibilidade é a mensagem.

BOLHAS PESSOAIS
A última tendência no nosso relatório é o aumento das bolhas pessoais. Enquanto alguns reagem a um clima ansioso, construindo conexões virtuais, outros se retraem em espaços pessoais cada vez menores; vemos um maior foco no corpo, no lar e na vizinhança, em um mundo intimidador. O corpo e os dados gerados se tornam uma fonte de verdade e segurança; vemos novos players entrando no espaço do bem-estar, trazendo consigo uma série de sensibilidades para navegar, como a privacidade. Embora experiências ao vivo estejam retornando, nossas casas viraram nossos escritórios, academias, bares e salas de cinema. Vemos um aumento do investimento em experiências em casa, juntamente com um desejo ansioso de tornar a casa mais auto-suficiente. Privados da oportunidade de viajar, redescobrimos a força do bairro e as alegrias do local. Novas plataformas estão acelerando e revivendo velhos costumes de bairro, como o aplicativo de compartilhamento de comida Olio, criando um Bairro Digital onde os usuários podem pegar emprestado uma xícara de açúcar de um vizinho virtual.

Fred Levron, Global Chief Creative Officer, dentsu international disse:

“O futuro da criatividade é a criatividade colaborativa. O que vemos neste relatório são as coisas incríveis que podem acontecer quando as pessoas se unem de novas maneiras para formar coletivos, colaborar e co-criar. Isso está resultando em alianças incríveis em novas plataformas que não poderíamos ter imaginado apenas alguns anos atrás, criando coisas que nunca foram vistas antes. O mundo mudou e os centros de gravidade estão mudando. O futuro pertencerá aos mais bem conectados e ágeis, não necessariamente aos maiores ”

Patricia McDonald, Head of Strategy & Consulting, Creative, dentsu international acrescenta:

“Em um ano em que lutamos contra problemas do clima, uma pandemia global e aumento da inflação, não é surpreendente que vejamos um profundo desejo de fuga. Essa fuga assume muitas formas; uma imersão em mundos virtuais, um passo para longe do mundo corporativo, a criação de novos modelos descentralizados de propriedade e governança. No entanto, nesta grande descentralização, vemos algumas sementes vitais de esperança e oportunidade; oportunidades para impulsionar os eixos fundamentais necessários para criar uma mudança sustentável”.

Este conteúdo de divulgação comercial foi fornecido
Por Olive Press
e não é de responsabilidade de revistaempreende.com.br