Telemedicina é realidade em 63% dos centros médicos do Brasil, aponta pesquisa da Doctoralia

91% das clínicas entrevistadas ainda usam o telefone como principal ferramenta de marcação de consultas

De 2020 para cá, muita coisa mudou no mundo por causa da pandemia e o cenário na área da saúde não foi diferente. A consulta online passou a ser uma alternativa mais prática e rápida de fornecer orientação médica e atendimento à população visando a redução do contágio do vírus.

Confirmando a realidade de um modelo de atendimento híbrido, a pesquisa Panorama das Clínicas e Hospitais 2022, realizada pela Doctoralia em parceria com TuoTempo, apontou que 63% dos centros médicos entrevistados estão oferecendo atendimento por telemedicina. Já 28% dos centros médicos afirmaram que nunca testaram a modalidade por possuírem especialidades que não se adaptam à telemedicina e 9% chegaram a testar, mas decidiram não continuar.

“A telemedicina trouxe uma mudança na forma de trabalhar dos médicos, que é a forma como eles dividem a agenda entre consulta e retorno. Vai ser possível concentrar uma parte do dia para fazer uma sequência de atendimentos, mas sem perder tempo com as fricções”, comenta Cadu Lopes, CEO da Doctoralia no Brasil, Chile e Peru.

Digitalização

Mesmo com a digitalização dos atendimentos, a pesquisa apontou que o telefone segue sendo um canal de agendamento extremamente relevante, disponibilizado por 91% dos centros médicos estudados.

Porém, o WhatsApp continua se destacando e já é um meio de agendamento oferecido por 75% das clínicas entrevistadas, mostrando o avanço da tecnologia também nas clínicas.

Em relação ao uso de formas digitais para melhorar a experiência do paciente, o agendamento de consultas é o principal serviço utilizado pelos médicos, sendo citado por 61% deles.

Expectativas para 2022

A pesquisa identificou que a humanização do atendimento, colocando o paciente no centro das estratégias, é um tema altamente discutido no setor da medicina.

Além disso, ferramentas tecnológicas contribuem com as duas próximas tendências: a automação de tarefas e o smartphone como peça essencial no acesso à saúde. O envio automático de lembretes por mensagem, a personalização de campanhas de marketing em massa e a criação de um aplicativo próprio são exemplos de como unir os dois pontos.

Em sua segunda edição, a pesquisa “Panorama de Clínicas e Hospitais” foi respondida por 387 representantes do setor ao redor do Brasil por meio de um questionário entre outubro e novembro deste ano.

Este conteúdo de divulgação comercial foi fornecido
Por Maquina Cohn Wolfe
e não é de responsabilidade de revistaempreende.com.br