Brasileiros estão dispostos a pagar mais por imóveis sustentáveis,revela pesquisa ABRAINC-Brain

Levantamento mostra interesses por itens como energia solar e reaproveitamento de água de chuva

A sustentabilidade é um tema que entrou de vez na vida das pessoas que estão em busca de um imóvel para morar ou investir. Um levantamento inédito da ABRAINC (Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias) e da Brain Inteligência Estratégica revelou que 66% dos entrevistados consideram como importante e estariam dispostos a pagar mais pela energia solar no imóvel. Além disso, outro ponto destacado por 57% das pessoas é o fato de preferirem espaços arejados e integrados com a natureza. Dos respondentes, 56% relataram, ainda, que estariam dispostos a pagar mais por um imóvel com tecnologia para reutilização de água de chuva. O levantamento ouviu 14 mil brasileiros em 2021, dentre eles, 850 pessoas que compraram imóveis no último ano. Os dados foram apresentados nesta terça-feira, 22/2, durante o webinar Preferência do Cliente na Jornada de Compra do Imóvel.
 

Luiz França, presidente da ABRAINC, avalia que o consumidor está mais atento com as boas práticas voltadas à redução do impacto ambiental em todos os setores e valorizará cada vez mais esse tipo de opção no momento de escolher a moradia. “O uso de novas tecnologias na construção — que incorporam o uso de itens com maior eficiência e menor uso de recursos naturais -, e práticas voltadas à sustentabilidade, como utilização da energia solar e reaproveitamento da água, já fazem parte da realidade das incorporadoras, que buscam oferecer produtos para atender os mais variados tipos de demandas dos clientes”, ressalta o executivo.
 

O estudo revelou outros critérios importantes para o consumidor, que impactam na decisão de compra do imóvel. Dos respondentes, 71% disseram que estariam dispostos a pagar mais para morar perto do trabalho, assim como a proximidade de supermercados (83%) e farmácias (59%) também foi apontada como opção considerada no momento da escolha. Do total de entrevistados, 80% também acham que a compra influencia na qualidade de vida.
 

Os dados também mostram que o preço médio das propriedades compradas por brasileiros é de pouco mais de R$ 240 mil e que apenas 31% dos entrevistados conseguem adquirir sua moradia com preços superiores a R$ 250 mil, e, quando o fazem, são, na maioria, compradores com renda salarial acima de R$ 16,5 mil.
 

Experiência digital – A pesquisa aponta, ainda, que 50% das pessoas compram imóveis diretamente por imobiliárias e apenas 16% adquirem com proprietários. E, nas capitais, 51% dos compradores optam por apartamentos, mas esse número cai para 34% quando quem efetua a compra está em cidades no interior. Além disso, 70% dos brasileiros compraram um imóvel para sua própria moradia e apenas 29% como investimentos, enquanto 1% adquirem para seus filhos ou parentes.
 

O levantamento mostra, ainda, que 73% dos compradores levam, em média, 6 meses para finalizar o negócio com o vendedor. “Esse senso comum parece cada vez mais equivocado, e a pesquisa demonstrou que esse período está diminuindo cada vez mais graças às tecnologias usadas por incorporadoras e imobiliárias. O cliente busca mais agilidade, praticidade e novas experiências no processo de compra”, ressaltou Fábio Tadeu Araújo, sócio-diretor da Brain.

Este conteúdo de divulgação comercial foi fornecido
Por FSB comunicação
e não é de responsabilidade de revistaempreende.com.br