Mulheres no e-commerce: setores de arte, materiais para escritório e acessórios são onde elas mais empreendem

Os setores que mais se destacam com a presença feminina são arte (72%), materiais para escritório (70%) e acessórios (69%)

O crescimento dos negócios liderados pelo público feminino no e-commerce pode ser identificado ano após ano, de acordo com os dados da Nuvemshop, plataforma de e-commerce líder na América Latina. Em 2019, a presença feminina no comando das lojas digitais era de 50%, já em 2020, o número aumentou para 60%. Em 2021, as mulheres representaram 66% das pequenas e médias empresas online do Brasil.

De acordo com o levantamento da Nuvemshop, há predominância de mulheres empreendedoras nos setores de arte (72%), materiais para escritório (70%) e acessórios (69%). Outras categorias que também se destacaram no recorte com a participação feminina são: produtos eróticos (67%) e joias (63%). Segundo Tatiana Rezende, CFO da Nuvemshop, a empresa teve “um grande aumento da presença feminina no empreendedorismo digital nos últimos anos e isso nos oportuniza um esforço dobrado para ajudar as empresárias a coordenar e expandir seus negócios para todo o Brasil”.

A Nuvemshop, que conta com a identificação de 54,9% de seu time com o gênero feminino, ajuda as mulheres a transformarem suas vidas por meio das lojas online. A história de Marina Anjos, proprietária da Cian Candle, loja de bem-estar e estilo, é inspiração para muitas empreendedoras. No início de 2020, Marina estava se mudando de cidade para trabalhar em uma nova empresa, mas por conta da pandemia, seu contrato foi suspenso. Em casa, ela passou a produzir velas e viu no e-commerce a possibilidade de comercializar seus produtos. Hoje, a empresa é uma das principais do setor no meio digital.

De acordo com os dados do Global Entrepreneurship Monitor (GEM), realizado em parceria com o Sebrae, em 2020 o Brasil era o sétimo país com o maior número de mulheres empreendedoras.  Em um universo de 52 milhões de empreendedores, cerca de 48% eram mulheres. Em 2022, o empreendedorismo feminino deve continuar crescendo e as iniciativas devem ganhar ainda mais destaque, especialmente com o crescimento das vendas online.


Este conteúdo de divulgação comercial foi fornecido
Por Jeffrey Group Comunicação
e não é de responsabilidade de revistaempreende.com.br