Carteira de crédito avança 0,7% em fevereiro e expansão em 12 meses fica estável em 16,3%, mostra pesquisa da FEBRABAN

Mesmo com condições financeiras mais adversas, com a alta da Selic para conter a inflação, ritmo de expansão anual sinaliza que a oferta de crédito segue crescendo em um ritmo bastante forte no início de 2022 de crédito segue crescendo em um ritmo bastante forte no início de 2022

A Pesquisa de Crédito da FEBRABAN é divulgada mensalmente como uma prévia da Nota de Política Monetária e Operações de Crédito do Banco Central e as projeções são feitas com base em dados consolidados dos principais bancos do país, que representam de 38% a 88% do saldo total do Sistema Financeiro Nacional, dependendo da linha, além de outras variáveis macroeconômicas que impactam o mercado de crédito.

“O ritmo de expansão da carteira em 12 meses continua em um patamar bastante elevado, de dois dígitos, sinalizando que a oferta de crédito flui em um ritmo bastante forte, mesmo tendo em conta a atual conjuntura econômica e as condições financeiras mais adversas, com alta mais acentuada da Selic para conter a inflação, além de um processo de arrefecimento da recuperação do nível de atividade econômica”, avalia Rubens Sardenberg, diretor de Economia, Regulação Prudencial e Riscos da FEBRABAN.

Sardenberg também destaca que a carteira Pessoa Física com recursos livres deve mostrar um avanço mensal mais modesto, entretanto o ritmo de crescimento anual do segmento, em fevereiro de 22, seguirá forte e deve atingir 23,7% (ante 23,8% em janeiro de 2022).

A expansão da carteira Pessoa Jurídica (+0,6%), por sua vez, deve ter uma ligeira aceleração no ritmo de expansão anual da carteira, para 9,9% ante 9,8% no mês anterior. O desempenho positivo deve vir da carteira livre (+1,3%), dada a baixa base de comparação de janeiro, quando normalmente as vendas no varejo são mais fracas, o que acaba afetando a utilização de linhas de desconto e antecipação. Já a carteira Pessoa Jurídica direcionada deve recuar 0,6%, ainda devido à redução dos programas públicos de crédito.

Concessões

De acordo com a pesquisa,as concessões de crédito devem apresentar retração mensal de 3,1% em fevereiro. No ajuste por dias úteis, contudo, esta variação corresponde a uma alta de 1,8%, mostrando resiliência das concessões, apesar do ambiente mais desafiador da economia. Na visão acumulada em 12 meses, o volume concedido deve atingir 23,2%, maior valor da série histórica (desde 2013).

O crescimento ajustado por dias úteis deve vir das concessões para as companhias (+6,3%), liderado pelas operações com recursos livres para as grandes empresas e, em menor grau, das concessões com recursos direcionados.

Já as concessões para as famílias devem recuar 2,0%, com queda esperada tanto nas operações com recursos livres como nas com créditos direcionados.

Este conteúdo de divulgação comercial foi fornecido
Por FEBRABAN – Federação Brasileira de Bancos
e não é de responsabilidade de revistaempreende.com.br