fbpx

Como criar uma startup do zero: aprenda o passo a passo

Quem é que nunca pensou em montar uma empresa? Afinal, poucas coisas são melhores do que ser seu próprio chefe e, com muito empenho, criar o próprio patrimônio. Um tipo de empresa que está em alta é a startup. Mas você sabe como criar uma startup?

As startups, na maioria das vezes, são empresas tecnológicas e que visam, ainda, suprir algumas necessidades do mercado que não são supridas por empresas tradicionais e de grande porte. Elas podem, inclusive, trabalhar com processos de licitação.

Para sair do papel, a startup passa por processos de: ideia, validação, construção do time, contratos com sócios, criação de modelos, planejamento, estabelecimento de métricas, execução dos trabalhos, cultura empresarial e, por fim, escalada de crescimento. 

Abaixo, confira o conceito de startup, as características desse tipo de empresa, informações sobre GovTech, captação de recursos e, ainda, um passo a passo completo para você criar a sua própria firma. Enjoy!

O que é uma startup?

Por definição, uma startup é, como mencionamos anteriormente, uma empresa de tecnologia muito atraente para investidores e empreendedores que estão embarcando, pela primeira vez, no mundo dos negócios.

Normalmente, as startups se destacam por ideias inovadoras. Por exemplo: a Uber surgiu como uma startup, que observou uma necessidade do mercado que não estava sendo suprida por serviços convencionais de transporte. Quando explodiu, BOOM! Deslanchou!

No início, o Ifood também era uma startup. Com a valorização da comodidade, as pessoas preferiam acessar um aplicativo para fazer um pedido do que se deslocar, por exemplo, até o restaurante, para buscá-la.

Além disso, no início do negócio, os empreendedores ousaram ao propor um modelo diferente do que aquele largamente replicado. Por isso, talvez, o melhor sinônimo para uma startup seja inovação.

Quais as características de uma startup?

Você conhece as características de uma startup? Se ainda não está muito familiarizado com o tema, fique tranquilo. Neste post, iremos elencá-las. Confira, abaixo, algumas delas para que você saiba como criar uma startup do zero!

  • Inovação: a maior característica de uma startup é a inovação. Ao observar uma deficiência do mercado, o empreendedor cria um produto para saná-la. Dessa forma, ele divulga seu produto ou serviço como um “solucionador” para o problema;
  • Escalabilidade: você está familiarizado com o termo “escalabilidade”? Como o próprio nome sugere, uma startup é considerada escalável quando é detentora do poder de gerar receita e crescer de forma que não aumente os custos operacionais;
  • Menos burocracia: com sócios e colaboradores criativos, uma startup encontra soluções para possíveis e atuais problemas sem a necessidade de envolver uma grande quantidade de papelada;
  • Planejamento: como citamos anteriormente, planejamento é essencial para quem está se perguntando como criar uma startup. Isso ocorre porque, antes de dar o “start”, a empresa precisará fazer o planejamento de sua atuação;
  • Pesquisa: assim como o item anterior, a pesquisa é uma necessidade do empreendedor que quer embarcar no mundo dos negócios. Assim, a partir da pesquisa, ele descobre as oportunidades do mercado;
  • Custos baixos: startups são, inicialmente, empresas com equipes enxutas, que conseguem crescer mesmo sem muito pessoal, com o sonho de atingirem 1 milhão de dólares sem ter presença na bolsa.

Essas são as principais características das startups, que conquistam cada vez mais espaço no mercado financeiro, principalmente por darem uma “reciclada” na imagem empresarial tradicional.

E GovTech: o que significa esse conceito?

Definido por órgãos governamentais, o conceito de uma GovTech é, basicamente, uma startup que tem, como propósito, levar tecnologia e inovação para a Administração Pública. Dessa forma, a empresa facilita os serviços governamentais.

Atualmente, inúmeras GovTechs têm ocupado espaços de transformação que as tecnologias desenvolvidas no setor privado podem promover se adotadas pelos governos, demonstrando o vantajoso potencial dessas empresas.

Por fim, as GovTechs são alternativas vantajosas e mais baratas para o governo melhorar a performance da administração e proporcionar uma maior e melhor qualidade de vida para os cidadãos.

Por que elas são uma tendência atualmente?

No Brasil, existe a Associação Brasileira de Startups (ABStartups). Recentemente, em pesquisa divulgada na Revista Exame, foi apontado que, no País, há uma média de 135 startups que se encaixam na categoria de GovTechs.

Elas são uma forte tendência no mercado porque podem, por exemplo, participar de licitações de serviços públicos e, ainda, oferecer soluções muito mais baratas do que aquelas apresentadas por empresas tradicionais.

Neste ano, as GovTechs terão papel fundamental, pois oferecem inúmeras possibilidades de serviços nas áreas de saúde, tecnologia e engenharia, pois facilita trabalhos de comunicação e aceleração de atendimento às demandas públicas.

Quais são os diferenciais de uma GovTech?

Talvez a palavra que melhor define os diferenciais de uma GovTech é a “disrupção” de um sistema, muitas vezes, ainda arcaico, presente em inúmeras repartições públicas dos entes públicos do território nacional. 

Com a utilização desses serviços, é possível que GovTechs consigam firmar uma comunicação menos burocrática com a população. Além disso, a performance governamental pode ser mensurada com mais exatidão com as tecnologias de GovTechs.

Além disso, as GovTechs também são uma excelente forma de direcionar os recursos financeiros da União, uma vez que são utilizadas para sanar problemas latentes e ruidosos entre os entes públicos e a sociedade.

De onde vem os seus recursos principais?

O Poder Público, na maioria das vezes, contrata serviços prestados pelas GovTechs e, assim, disponibiliza-os para resoluções de problemas internos e, também, de problemas externos.

São excelentes alternativas para que União, Estados e Municípios redirecionem suas verbas e emendas para essas empresas, que costumam ser muito mais baratas do que aquelas tradicionais, que possuem outros sistemas de fornecimento de serviços.

Passo a passo de como criar uma startup

Abaixo, confira um passo a passo sobre como criar uma startup de sucesso e, assim, destacar-se no mercado financeiro, podendo ter reconhecimento no amplo território nacional. 

Ideação

Em primeiro lugar, é necessário que o empreendedor idealize o projeto da sua startup, desenhando um modelo de negócio e explicando, detalhadamente, como será a atividade da empresa.

Neste momento, indicar a necessidade que o negócio suprirá é fundamental para atrair investidores e gerar maior confiança no mercado financeiro que investe nessas empresas inovadoras de pequeno porte. 

Validação

Depois da ideação, vem a validação da startup. Ou seja, aqui é de extrema importância que a empresa mostre que a ideia é, realmente, aplicável, e que faz a diferença no setor explorado. 

Isso porque, de nada adianta ter uma ótima ideia, mas a mesma não funcionar quando colocada em prática. Por isso, é importante que a empresa faça pequenos testes de mercado. 

MVP

Sigla para Minimum Viable Product, o MPV é a versão “experimental” de um novo produto, que permite ao CEO e, também, à sua equipe, coletar o maior número de aprendizados possíveis sobre os clientes, mas com o menor esforço. 

Trata-se, então, de uma forma de testar o produto com o público e ver sua real efetividade. Afinal, de nada adianta um produto “bom” que não é bem aceito pelos nichos de mercado que utilizarão a tecnologia em questão.

Busque parceiros

Para encontrar parceiros importantes para o crescimento da sua startup, você deverá buscar por empresários que possuem o mesmo pensamento econômico que você. Dessa forma, vocês estarão em harmonia para tomar as decisões.

Então, ao procurar sócios, encontre afinidades entre você e esses outros empreendedores. Somente assim será possível que o negócio seja tocado da forma correta, sem que haja conflitos que possam atrapalhar o andamento da startup.

Capte recursos

Por último, mas não menos importante, está a captação de recursos. Esse é um dos principais receios de quem quer aprender como criar uma startup, uma vez que o negócio só vai para a frente se houver investimento.

Dessa forma, é fundamental que você encontre parceiros econômicos que podem te ajudar a alavancar o negócio, mas sem ultrapassar os valores e missões da empresa. Afinal, são esses os pilares que sustentam o negócio.

Benefícios de começar uma startup

Existem inúmeros benefícios de começar uma startup, para os empreendedores e, também, para os sócios e colaboradores que embarcam nessa jornada. Abaixo, confira cada um deles.

Motivação

Os empreendedores de startups, para embarcar nessa jornada, têm motivações ligadas a fatores que estão além das necessidades financeiras do negócio, como o desejo em promover ideias inovadoras, bem-estar social, aceleração de processos, entre outros.

Finanças

O funding da startup e o financiamento à inovação são feitos por parceiros econômicos, com detalhes sobre fontes financeiras, processo de captação de recursos, interesses de investidores para o negócio e, também, detalhes da indústria de venture capital.

Controle

O controle que mencionamos aqui diz respeito às finanças. Trata-se de uma das atividades mais importantes para a sobrevivência e crescimento do negócio no mercado econômico do Brasil.

Conclusão

Deu para entender um pouco mais sobre como criar uma startup e todos os processos envolvidos nessas situações? Trata-se de um modelo de negócio muito lucrativo, mas que exige alguns cuidados.

Esperamos que sim! Entretanto, se houver alguma dúvida, não hesite em entrar em contato com nossa equipe. Certamente poderemos esclarecer alguns pontos e dúvidas.

Este conteúdo de divulgação comercial foi fornecido
Por Netlinks
e não é de responsabilidade de revistaempreende.com.br