fbpx

ONG constrói escola com 2,5 milhões de embalagens plásticas

Uma construção no Parque São Rafael, na Zona Leste de São Paulo (SP), mobilizou mais de 600 voluntários e demandou materiais como madeira reflorestada, chapas e telhas ecológicas – feitas com 2,5 milhões de embalagens plásticas -, além de caixas de leite recicladas. Como resultado, a metrópole ganhou a sua primeira escola construída de maneira totalmente sustentável.

Segundo informações da ONG Mangalô, responsável pela ação, ao utilizar madeira de reflorestamento, o projeto garantiu uma estrutura 100% renovável. Além disso, foi empregada tecnologia para transformar caixas de leite, canudos, tubos de pasta de dente e outras embalagens em produtos impermeáveis, de alta resistência e durabilidade, que foram utilizados nos revestimentos, conforme publicado pelo site Pensamento Verde.

A organização relata que as chapas e telhas ecológicas utilizadas na construção possuem alumínio em sua composição, elemento capaz de refletir raios ultravioleta, proporcionando conforto térmico às construções. Dessa forma, segundo a ONG, há uma diminuição no consumo da energia elétrica.

Ao todo, a entidade estima que o projeto sustentável gerou 95% menos resíduos, emitiu 90% menos CO2, usou 90% menos água e produziu 95% menos resíduos em comparação à construção civil tradicional.

Segundo Fernando Teles, fundador da ONG Mangalô, em entrevista ao Pensamento Verde, o “woodframe” sustentável também permite que os projetos de construção sejam feitos de forma mais ágil e com um custo reduzido: a agilidade fica em torno de 60% a 70% mais rápida, dependendo do projeto, enquanto que o custo total varia de 30 a 70% mais barato em relação à alvenaria.

“Se espalhássemos o método para todo o país, reduziríamos o déficit habitacional. Estamos ‘presos’ à alvenaria, que é poluente, cara e de difícil execução”, afirma. “A escola demonstra o quanto uma comunidade pode se beneficiar quando boas intenções, inovação e sustentabilidade se juntam em projetos de construção civil, servindo de inspiração para iniciativas similares”, complementa.

Rafael Juen, Head do Technical Center São Paulo da BrasALPLA, avalia de forma positiva a iniciativa da ONG que construiu a escola em uma área carente da capital paulista, utilizando 2,5 milhões de embalagens plásticas e caixas de leite recicladas.

“Cada vez mais, as ONGs vêm aplicando iniciativas de reciclagem de materiais descartáveis e madeira de reflorestamento. Também é importante que as prefeituras e os governos estadual e federal apoiem essas iniciativas e desenvolvam PLs (Projetos de Lei) para regulamentar os processos”, afirma.

Um novo olhar sobre o plástico

Para Juen, porém, boas intenções por parte de pequenos nichos da sociedade não bastam. “A reciclagem é um dever de todos os cidadãos e de respeito para com as próximas gerações. Além do mais, a reciclagem mostra como o uso do plástico pode ser melhor repensado, desfazendo o estereótipo de ‘vilão’”, afirma.

Ele destaca que o plástico, desde que não seja misturado com produtos não recicláveis, é um material versátil e que pode ser usado inúmeras vezes para o mesmo fim. “Nossa filosofia é que cada produto fabricado em plástico não seja misturado com materiais não recicláveis para que, dessa forma, uma garrafa ou uma tampa de plástico possa ser reciclada, e que volte a se fazer novamente uma nova garrafa ou uma tampa”.

Na visão de Juen, esse é o circuito ecológico ideal, pois mantém o plástico sempre como material não contaminante. “A ideia é que uma e outra vez o plástico volte a ser um material reutilizável. Para garantir um futuro melhor para todos, os governos poderiam implementar a ecologia e a sustentabilidade como matéria obrigatória, tanto no ensino fundamental e médio, como no superior”.

Para o Head do Technical Center São Paulo da BrasALPLA, não bastam boas práticas para manter o planeta sustentável. “Todos precisam aprender, desde crianças, o que fazer para conviver de forma sustentável e sem agredir o meio ambiente”, conclui Juen.

Para mais informações, basta acessar: https://repense.eco.br/